“Não estou a ver nem quero acreditar que possa haver uma tentativa de rescisão por um ato que involuntariamente saiu dos próprios jogadores, não de todos, mas saiu dos jogadores”, afirmou Bruno de Carvalho, na sala de conferências de imprensa do Estádio José Alvalade.

O presidente ‘leonino’ considerou que tudo começou após o encontro com o Marítimo, que o Sporting perdeu por 2-1, quando alguns jogadores confrontaram, tanto na Madeira como na garagem do estádio, alguns adeptos que protestavam pelo desaire sofrido na última jornada da I liga.

“Não estou a dizer que os jogadores merecem aquilo que aconteceu. Mas tudo começou aí. Não foi o presidente do Sporting”, disse, frisando que não teve qualquer conhecimento do que iria acontecer na Academia de Alcochete.

Bruno de Carvalho considerou que tudo o que se passou foi um “ato bárbaro de vandalismo e terrorismo” e revelou que teve uma reunião no dia anterior com os jogadores, em que os próprios não transmitiram qualquer motivo de preocupação.

“Sem o nosso conhecimento, foi dito aos jogadores que um antigo líder da Juve Leo iria falar com alguns, por causa dos nomes que lhe tinham chamado e por se terem virado contra ele. Nessa reunião, disse aos jogadores para me transmitirem de imediato qualquer indicio que houvesse de ameaça. Não perceberam a dimensão do que se estava a passar”, contou.

O presidente do Sporting destacou o “brio e o profissionalismo” dos jogadores por estarem disponíveis para competir no domingo na final da Taça de Portugal e garantiu que a Academia de Alcochete continua a ser um “local seguro”.

“Sempre foi um local seguro. Eu garanto a segurança de todos os atletas de todas as modalidades”, reforçou.

Bruno de Carvalho pediu ainda a “todos os adeptos” do Sporting que façam uma “verdadeira festa” no Jamor e que mostrem que a “verdadeira dimensão” do clube.

Recorde-se que esta declaração acontece horas antes de o plantel de futebol treinar no Estádio Nacional, em Oeiras, na véspera da final da Taça de Portugal.

Este será o primeiro treino de grupo dos 'leões' esta semana, marcada pelo ataque de terça-feira na Academia do Sporting, em Alcochete, onde dezenas de encapuzados invadiram as instalações e agrediram jogadores e elementos da equipa técnica no balneário.

O programa de atividades divulgado ontem pela FPF, em que constava um treino do Desportivo das Aves também no Jamor, às 11:00, não previa qualquer conferência de imprensa.

Taça de Portugal: Desportivo das Aves com todos disponíveis para a final
Taça de Portugal: Desportivo das Aves com todos disponíveis para a final
Ver artigo

Por volta das 11:30 desta manhã, porém, Alvalade fez saber que o Sporting ia fazer uma conferência de imprensa, no estádio do clube, em Lisboa, às 13:00, sem adiantar o tema.

O Sporting e o Desportivo das Aves defrontam-se a partir das 17:45 de domingo, na 78.ª final da Taça de Portugal.

O clube de Alvalade atravessa momentos de crise na sequência das agressões da passa terça-feira, 15 de maio, em a equipa de futebol foi atacada na Academia de Alcochete por um grupo de cerca de 50 pessoas, que agrediram técnicos e jogadores. A GNR deteve 23 dos atacantes.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve na quarta-feira quatro pessoas na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, que foi libertado sob caução e impedido de exercer funções desportivas.

O cenário agravou-se com as demissões na quinta-feira da Mesa da Assembleia Geral, em bloco, e da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar, instando o presidente do Sporting a seguir o seu exemplo, mas Bruno de Carvalho anunciou ao fim do dia que se irá manter no cargo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.