O jogo não podia ter começado melhor. Aos 9 minutos Gonçalo Guedes é derrubado na área por Antunes e o árbitro não hesita: grande penalidade. Salvio vai para a marca dos onze metros e não perdoa. Primeiro golo para os encarnados, primeiro golo do jogo. Tinha começado o tango.

O jogo correu sempre de feição aos encarnados que conseguiram, desde cedo, impor o seu jogo. Oportunidades não faltaram, e não fosse a noite desinspirada de Mitroglou, e o Benfica podia ter chegado ao intervalo em vantagem.

A segunda parte abriu, praticamente, com o segundo golo das águias. Cervi marcou, após um primeiro remate que ressaltou num colega de equipa.

A partir daí o jogo ficou mais repartido, e a segunda parte tornou-se mais equilibrada. Com um Benfica a apostar nas saídas em contra-ataque entregues aos seus alas, a equipa da casa ia chegando cada vez mais perto da baliza de Ederson. Valeu ao Benfica uma noite eficaz do guardião brasileiro e o pragmatismo de Fejsa, imperial no meio-campo.

Apesar do triunfo, os encarnados ficam pela terceira posição do grupo com quatro pontos, menos um do que os turcos do Besiktas, que foram vencer a casa do Nápoles, ainda líder com seis pontos, por 3-2, enquanto o Dínamo é quarto com apenas um ponto.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.