"Falei com o presidente de Curaçau e chegámos à conclusão de que, como a seleção está a entrar numa nova trajetória, é melhor que a deixe, pelo que vou parar de vez”, disse Hiddink, em entrevista à cadeia holandesa SBS 6.

Hiddink contraiu covid-19 no início do ano, o que o obrigou a deixar temporariamente o cargo na seleção, que passou interinamente para Patrick Kluivert.

Questionado quanto a planos para outra seleção ou clube, Hiddink foi perentório na negativa e disse que "não será um novo [Dick] Advocaat", ironizando com o atual selecionador do Iraque.

Com uma carreira iniciada em 1982, no De Graafschap, Hiddink treinou clubes como o PSV, Real Madrid, Valência, Betis e Chelsea e comandou as seleções de Coreia do Sul, Austrália, Rússia, Turquia e Países Baixos, esta em duas ocasiões.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.