“Nos termos do acordo subscrito, a Chiado [uma empresa do grupo chinês] acordou em subscrever 157.437.395 ações a um preço de subscrição de 1,1089 euros por ação a emitir pelo BCP através de colocação reservada à Chiado, equivalente a cerca de 16,67% do capital social do BCP (…) O montante total da transação é de 174.582.327,32 euros”, afirma a empresa num comunicado divulgado na sua página de internet.

No comunicado, a empresa também anuncia que a Chiado se compromete a não vender durante três anos as ações concedidas no âmbito do aumento de capital do banco.

Sobre os principais benefícios da entrada dos chineses no BCP, a Fosun destaca a “sólida presença” empresarial do BCP na Europa e em África, nomeadamente em Angola e Moçambique.

“O Grupo pretende aplicar as suas capacidades de investimento e outros recursos para ajudar o banco a melhorar ainda mais o negócio financeiro global relacionado com a região da grande China e também melhorar a rentabilidade do banco”, afirma no comunicado.

A Fosun espera ainda que o negócio firmado com o banco português “reforce a capacidade internacional” de serviços financeiros do grupo chinês, incluindo a capacidade de serviços de banca comercial internacional, da banca de investimento e de serviços de banca privada.

“Espera-se que a transação reforce ainda mais a presença no mercado financeiro do grupo no mercado português”, conclui a Fosun.

A entrada dos chineses do grupo Fosun no capital do BCP foi hoje também objeto de um comunicado do banco à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), assim como a suspensão de trabalhos da Assembleia-geral do banco que estava marcada para segunda-feira e vai ser adiada para 19 de dezembro.

"Na sequência dos anúncios publicados em 30 de julho de 2016, 14 de setembro de 2016 e 28 de setembro de 2016, o Banco Comercial Português anuncia a aprovação pelo seu Conselho de Administração, do resultado das negociações com a Fosun Industrial Holdings Limited bem como do aumento, por colocação particular, do capital social do BCP", lê-se no comunicado.

O BCP, noutro comunicado divulgado também na página de internet da CMVM, informa também ter sido decidido apresentar novo pedido de suspensão dos trabalhos da Assembleia-geral da instituição, para continuarem a 19 de dezembro.

O grupo Fosun já detém a Fidelidade e a Luz Saúde em Portugal.

(Notícia atualizada às 14h03) 

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.