"Só poderá haver viabilização do orçamento se houver compromisso do Governo em alterar o orçamento e trabalhá-lo em especialidade", afirmou a líder do Pessoas-Animais-Natureza.

Inês Sousa Real falava aos jornalistas na Assembleia da República depois de uma reunião com o primeiro-ministro no âmbito das negociações do OE2022.

A porta-voz do PAN rejeitou um orçamento que "seja mais do mesmo", defendendo que o compromisso do Governo "tem de ser extraordinário" e "cabe ao Governo aproximar-se das reivindicações do PAN".

Inês Sousa Real salientou que, "para que possa haver uma viabilização deste orçamento é fundamental que se chegue a um memorando de entendimento" que consolide o acolhimento de propostas do PAN e mostrou-se disponível para "que fique bastante claro aquilo que são as medidas que o Governo está disponível para acolher em sede de especialidade", tal como "aconteceu no ano passado, em que foi reduzido a escrito as medidas consensualizadas entre o PAN e o Governo".

"O que tem de estar perfeitamente claro é que exista um investimento estrutural nas matérias que são necessárias para fazer avançar o país", salientou, alertando que se as respostas que o país precisa "não partirem deste orçamento" e "se não for possível chegar a um memorando de entendimento", o PAN "não estará disponível para viabilizar".

Quanto ao sentido de voto, a líder do PAN reiterou que "não está definido" e "neste momento está tudo em aberto", e apontou que a Comissão Política Nacional do partido vai reunir-se "durante o fim de semana" para analisar mais aprofundadamente aquilo que é o acolhimento do Governo" em relação às medidas apresentadas.

A deputada salientou que o PAN "é um partido com responsabilidade, que nunca se furtou ao diálogo, sobretudo porque o momento complexo e extraordinário que o pais vive" obriga a um "orçamento extraordinário", a "investimento robusto" e a "compromisso da parte do Governo", rejeitando "meras normas programáticas" e "simbólicas".

Nas reuniões que tem tido com o Governo de negociação em relação ao OE2022, o partido tem apresentado ao Governo o seu "caderno de encargos, um conjunto de medidas que considera absolutamente estruturais para dar resposta à crise socioeconómica" mas também à crise ambiental.

O PAN quer, entre outras medidas, maior investimento no combate à pobreza, incluindo a energética, valorização das carreiras dos técnicos auxiliares de saúde, a expansão da rede de bancos de leite humano ou uma maior oferta nos transportes públicos, elencou a líder.

De acordo com Inês Sousa Real, que apontou que ainda vão decorrer reuniões setoriais com o executivo "até ao final da semana", há "medidas para as quais o Governo já mostrou e sinalizou alguma disponibilidade" e já na proposta entregue "na generalidade há medidas que têm a marca PAN", mas "há outras em que não há" aproximação.

O primeiro processo de debate parlamentar do OE2022 decorre entre 22 e 27 de outubro, dia em que será feita a votação, na generalidade. A votação final global está agendada para 25 de novembro, na Assembleia da República, em Lisboa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.