A Organização das Nações Unidas (ONU) já organizou 25 reuniões da Conferência das Partes — o fórum internacional supremo de decisão sobre as alterações climáticas — e, mesmo assim, em 2019 as emissões globais atingiram o seu ponto mais alto até à data. Claramente, alguma coisa não está a funcionar.

Infelizmente, nas várias operações da ONU, a falta de ação e a intransigência são a regra e não a exceção. A ONU tem assistido de forma passiva enquanto milhares são assassinados em conflitos. Tem consistentemente dado lugar a Estados que abusam dos direitos humanos no seu próprio Conselho de Direitos Humanos. E, apesar de agora a ONU ter adotado os “Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, muitas das metas estabelecidas nos anteriores “Objetivos de Desenvolvimento do Milénio” nunca foram atingidas.

Estes falhanços contam a história de uma organização que estagnou e se tornou corrupta e extraordinariamente burocrática. Ainda sobre as alterações climáticas: atualmente, por cada dólar que a ONU recebe para o seu combate, apenas 15 cêntimos são aplicados nesse propósito. Os restantes fundos são dirigidos a falar sobre alterações climáticas — organizar conferências, preparar relatórios e transportar líderes seniores à volta do mundo para participar em conversas e negociações. Ainda que seja importante que a discussão tenha o seu lugar, agora é o tempo para agir. Encontramo-nos neste momento perto de uma catástrofe e não existe qualquer tipo de negociação que a vá alterar.

Mas nós podemos mudar a ONU.

Este ano, realizam-se as eleições para escolher o próximo Secretário-Geral da ONU. Esta é uma oportunidade única de trazer vozes jovens, interessantes, renovadoras para as Nações Unidas, para “limpar” os corredores do poder com ventos de mudança que eliminem redes intransigentes e ideias antiquadas.

É esta esperança e esta promessa que me levaram a candidatar-me nestas eleições.

Eu não sou a candidata típica para o cargo de Secretária-Geral. Venho de uma família de refugiados. Sou jovem, mulher e, embora tenha trabalhado nas Nações Unidas durante vários anos, não sou uma política instalada. Sou a antítese da velha elite. E, de facto, a elite parece indisponível para aceitar a minha nomeação.

Apesar de, desde 2016, serem permitidas candidaturas de autonomeação para Secretário-Geral, figuras seniores dentro da organização estão ainda por reconhecer a minha candidatura e parecem ter a intenção de pressionar a coroação do Secretário-Geral incumbente, António Guterres. Não estão apenas a rejeitar-me, mas também tudo aquilo em que acredito — juventude, diversidade, mudança. No entanto, juntos, conseguiremos afastá-los, através da nossa energia e do nosso compromisso para com a ação, em contraste com a falta de flexibilidade atual.

Um voto em mim será um voto para uma mudança transformadora.

Quem é Arora Akanksha?

Arora Akanksha, indo-canadiana, 34 anos, é funcionária do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e quer desafiar António Guterres no cargo de Secretário-Geral da ONU.

Até à data, está afastada do processo de seleção oficial por não ter conseguido o apoio de nenhum estado membro, condição necessária para a formalização da candidatura.

O mandato de cinco anos de Guterres, que assumiu o cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em janeiro de 2017, termina no final deste ano, a 31 de dezembro.

As Nações Unidas deram início em fevereiro ao processo formal de seleção do próximo secretário-geral da organização, ao pedirem aos 193 Estados-membros que submetessem os nomes de candidatos ao cargo. Até ao momento, nenhum outro nome avançou para desafiar Guterres.

Portugal já formalizou o seu apoio à recandidatura de António Guterres.

Enquanto Secretária-Geral, irei assegurar que pelo menos 25% das posições seniores na ONU serão ocupadas por pessoas abaixo dos 30 anos. É frequente a ONU fazer uma grande projeção da consulta a pessoas jovens sobre os problemas que as afetam — clima, educação, saúde mental — sem realmente mudar a forma como estes problemas são abordados. Tal acontece porque a mera consulta não é suficiente. São os jovens de hoje quem terá de viver com as consequências dos desastres climáticos. É a juventude que sabe o que significa passar pelos sistemas de educação — ou não passar por eles de todo. É a juventude que sofre e experiencia medos existenciais que têm um impacto devastador no seu bem-estar mental. Estas experiências trazem um conhecimento incalculável. Por isso, a juventude deveria participar na elaboração de políticas e não ser apenas chamada para fazer comentários ocasionalmente.

Irei, ainda, assegurar que serão atribuídos a mais mulheres cargos de liderança na hierarquia da ONU. E, fora da ONU em si, irei prestar atenção a uma reforma global de sistemas de Educação, para que às crianças seja ensinada a história da desigualdade de género e que por elas seja compreendida a forma de criar caminhos para atingir um futuro inclusivo. Irei dedicar mais financiamento à formação, mentoria e empoderamento das mulheres, tanto na ONU, como em todo mundo para que possamos libertar o potencial destas, para o bem da humanidade.

Arora Akanksha, a millennial que quer desafiar Guterres e reformar a ONU
Arora Akanksha, a millennial que quer desafiar Guterres e reformar a ONU
Ver artigo

Por último, irei recusar continuar a falar sobre um problema que está a olhar para nós de frente: as alterações climáticas. Se eu for eleita Secretária-Geral, as discussões apenas serão tidas para aprovar ou reforçar ação e implementação, ao invés de continuar a abordar metas e procedimentos. Vou investir largamente em soluções naturais para a crise climática e convidar empreendedores tecnológicos a vir à ONU, para que lhes seja permitido partilhar e co-criar as soluções tecnológicas que nos irão ajudar, por exemplo, a tirar o carbono da nossa atmosfera, a congelar novamente os polos e a gerar energia limpa e renovável.

Estamos num momento genuinamente importante na história da humanidade. Estamos a sair da pandemia do coronavírus com a oportunidade de criar um novo futuro. No entanto, enfrentamos vários desafios — cada um deles ofuscado pela dimensão da crise climática. Se escolhermos o status quo, estaremos a escolher o falhanço. Mas temos uma alternativa. Podemos escolher a juventude, a energia, a diversidade e a esperança. Podemos escolher agir. Podemos escolher marcar a diferença.

To read this op-ed in English, click here.

[Artigo atualizado às 19h21 de 11 de maio de 2021 - Introdução de ajustes na tradução]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.