Após anos de inércia negocial com o mundo de braços caídos, congelados, perante a intransigência do atual governo de Israel (mais agressivo que os anteriores) e, agora, o avanço desafiador de Trump, o Papa quis usar o altar pontifical para, sem mediações nem margem para interpretações, se colocar à cabeça do combate por um compromisso justo que possa abrir caminhos à coexistência em convivência pacífica dos dois povos, o de Israel e o da Palestina.

O Papa fez questão de dizer, em voz solene que entra pelos ouvidos, que o menino cujo nascimento é celebrado em Belém da Terra Santa tem o rosto de todos os meninos que sofrem em lugares de conflito. Muito mais do que uma mensagem religiosa é uma mensagem altamente política e social.

Há um acrescento também relevante nas palavras do Papa na noite de Natal: a insistência na abertura de portas a refugiados e migrantes. Foi uma mensagem direta para Sebastian Kurz, o jovem (31 anos) primeiro-ministro austríaco e astro crescente entre os que no lado Leste do Danúbio estão a abrir um outro “Brexit” dentro da União Europeia.

Francisco coloca-se como o líder que trata de sacudir as nações desunidas ao descrever as sombras desta nossa época: “sopram pelo mundo ventos de guerra e constatamos um modelo de desenvolvimento que continua a produzir degradação humana, social e ambiental”.

Tudo isto numa ocasião em que Trump decide cortar 285 milhões de dólares dos EUA para o orçamento da ONU. É o castigo que este presidente dos Estados Unidos aplica a quem não o seguiu na estrada para Jerusalém. A liderança da América está assim.

Valha-nos o Papa. Falta que se revelem líderes políticos capazes para converter o discurso necessário em ação prática de regresso aos valores solidários e de desenvolvimento que definiram o mundo nas décadas seguintes à Segunda Grande Guerra. Na Europa, Merkel e Macron têm a oportunidade rara para, com outros, emergirem como estadistas, em contraste com Trump e Putin. Certamente têm essa ambição, está para se ver se são capazes.

Vale ver:

Como o Iémen está a ser estrangulado pelo bloqueio saudita. Na primeira linha, oito milhões de pessoas desesperam com a fome.

revolução que está em curso no combate às doenças.

mudança em Angola numa primeira página em Luanda.

Também a ter em conta:  O resultado das eleições catalãs pôs o PP de Rajoy em sobressalto. Quando o que faz falta é que apareça quem faça política com maiúsculas, como reclama Jordi Juan, no La Vanguardia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.