com o apoio MEO
Adere à fibra do MEO desde €32,99/mês. Exclusivo Online.

Quanto custa a Jornada Mundial da Juventude?

Alexandra Antunes
Alexandra Antunes

Os custos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) têm estado em destaque esta semana depois de ser conhecido que a construção do altar-palco do espaço do Parque Tejo — com nove metros de altura e capacidade para 2.000 pessoas —, a cargo do município da capital, foi adjudicada à Mota-Engil por 4,24 milhões de euros (mais IVA), somando-se ainda a esse valor 1,06 milhões de euros para as fundações indiretas da cobertura.

No total, quanto pode custar a JMJ? 

A realização da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa terá um custo de quase 160 milhões de euros, segundo as estimativas apresentadas pela Igreja Católica, pelo Governo e pelos municípios de Lisboa e Loures.

Deste valor, o que cabe ao Estado?

A despesa do Estado com a organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Lisboa, em agosto, será de 30 milhões de euros, segundo uma nota emitida hoje pelo Governo.

As responsabilidades e compromissos assumidos pelo Estado na Jornada Mundial da Juventude poderão ir “até aos 21,8 milhões de euros”, refere o Gabinete da Ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares.

A este montante somam-se 8,2 milhões de euros de um contrato “adjudicado pela IP (Infraestruturas de Portugal) para a deslocação do terminal de contentores”.

“Total da despesa do Estado: 30 ME”, sem ser aqui considerado o imposto sobre o valor acrescentado (IVA), já que este reverte a favor do Estado, diz o Governo na nota, onde acrescenta que “o Estado participará também através do apoio, nomeadamente, na área da saúde, segurança, socorro e mobilidade”.

Os 21,8 milhões de euros referidos englobam “o conjunto de encargos assumidos” pelo Estado, incluindo os montantes relacionados com a unidade de missão, a aquisição das torres multimédia, instalações sanitárias, transmissão televisiva, abastecimento de água, ponte militar, promoção do país no estrangeiro, centro de comando e segurança, centro de apoio à imprensa nacional e internacional”, detalha o ministério de Ana Catarina Mendes.

Já os 8,2 milhões de euros resultam do contrato para a deslocação do terminal de contentores, “no âmbito da requalificação, valorização ambiental e fruição da zona ribeirinha do parque da Bobadela”, refere ainda.

Foi sempre esta a estimativa?

Não. Estes valores hoje divulgados veem corrigir as estimativas feitas pelo Governo em outubro e que apontavam para um gasto na ordem dos 36,5 milhões de euros na Jornada Mundial da Juventude.

Quanto vai gastar a Câmara de Lisboa? 

Em julho de 2022, a Câmara de Lisboa anunciou em comunicado a sua disponibilidade para investir “até 35 milhões de euros na exigente criação de condições para os diferentes eventos” integrados na JMJ, um valor confirmado esta semana pelo presidente da autarquia, Carlos Moedas (PSD).

E a de Loures? 

Em outubro do ano passado, o presidente da Câmara de Loures, Ricardo Leão (PS), estimou o investimento concelhio entre 9 e 10 milhões de euros e, esta quinta-feira, o autarca manteve a previsão de um orçamento de cerca de uma dezena de milhões de euros, que contempla sobretudo a modelação do terreno, a construção de uma ponte ciclopedonal (Loures-Lisboa), o plano de drenagem e a execução de passagens hidráulicas e acessos e mobilidade.

Qual é a estimativa de gastos por parte da Igreja Católica? 

O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023 e coordenador geral do Comité Organizador Local, D. Américo Aguiar (bispo auxiliar de Lisboa), adiantou na quinta-feira que o orçamento da Igreja ainda não está fechado e será divulgado nos próximos dias, tendo já um valor provisório superior a 80 milhões de euros.

O memorando de entendimento prevê que a Igreja assuma a responsabilidade e custos de tudo o que diga respeito ao acolhimento dos peregrinos, explicou o coordenador do evento, referindo que, “no fim, assumirá os prejuízos”, se houver. Eventuais lucros serão entregues às autarquias de Lisboa e Loures para projetos relacionados com a juventude.

Em destaque:

  • Em Torres Vedras, onde a vida são dois dias e o Carnaval são seis, fala-se em celebrar este ano o Centenário da festa que leva meio milhão de foliões às ruas, mas nem todos estão de acordo. Afinal, a cidade viu surgir muito antes disso as brincadeiras e as máscaras — mas o Centro de Artes e Criatividade ajuda a perceber o porquê de as atenções se centrarem em 1923. E o motivo é régio. Para ler aqui.
  • "Há histórias de sucesso que são de arrepiar os cabelos", escreve José Couto Nogueira na crónica de hoje. A história de Prigozhin, o vendedor de cachorros quentes que se tornou um senhor da guerra com reputação mundial, para ler aqui.
  • Neste episódio do podcast "Acho Que Vais Gostar Disto", a Mariana Santos, o Miguel Magalhães e o João Dinis sentam-se no divã para fazer um pouco de terapia ao falar de "Shrinking" ("Terapia Sem Filtros" em Portugal), série que estreou esta sexta-feira na Apple TV+ e cujos os dois primeiros episódios já estão disponíveis. Para ouvir aqui.

Jornais do dia

  • Expresso

    Expresso

    27 Janeiro 2023
  • Expresso E

    Expresso E

    27 Janeiro 2023
  • Expresso-Economia

    Expresso-Economia

    27 Janeiro 2023
  • Nascer do SOL

    Nascer do SOL

    27 Janeiro 2023
  • LUZ.

    LUZ.

    27 Janeiro 2023
  • Dinheiro Vivo DN/JN

    Dinheiro Vivo DN/JN

    28 Janeiro 2023
mookie1 gd1.mookie1