Os cientistas e engenheiros da missão revelaram hoje que descobriram que a superfície do asteroide está coberta de rochas e pedras, quando pensavam que este era mais macio e, portanto, mais seguro para a operação.

"Voltámos ao ponto de partida e começámos a pensar de novo", disse Dante Lauretta, chefe da missão, em conferência de imprensa. As suas declarações também foram publicadas na revista Nature esta terça-feira.

O asteroide, que tem um diâmetro apenas ligeiramente maior do que a altura do Empire State Building (cerca de 381 metros), pode conter material inalterado desde o início do sistema solar, diz a NASA num comunicado enviado hoje às redações.

A sonda foi projetada para apontar para uma área plana com um raio de 25 metros, mas, de acordo com fotografias tiradas desde dezembro, não há uma área tão grande sem rochas. Portanto, vai precisar de procurar uma área menor.

"Vamos ter de acertar em cheio", resumiu Richard Burns, gestor de projetos.

Desde dezembro, a sonda fez um mapa de Bennu, a uma distância muito próxima, atualmente de cinco quilómetros. O asteroide, que orbita ao redor do Sol, fica a 85 milhões de quilómetros da Terra.

O objetivo é chegar à superfície por cinco segundos em julho de 2020 com um braço articulado para recolher entre 60 gramas e dois quilos de regolito, isto é, cascalho e poeira - a máquina só pode aspirar partículas com menos de dois centímetros. As amostras serão armazenadas na sonda, que regressará a Terra em 2023.

Bennu é feito de pedaços que foram separados de um corpo maior e depois aglomerados pelos efeitos da gravidade.

Possui mais de 200 rochas com mais de 10 metros de diâmetro, e até algumas com mais de 30 metros, descreveram os investigadores da Nature Astronomy.

"Não é óbvio pousar uma sonda espacial com precisão de cerca de um metro na superfície de um asteroide em microgravidade", disse Dante Lauretta, acrescentando que está "certo" de que a equipa estará à altura do desafio.

Bennu também ejeta partículas, que acabam por cair como uma chuva. Mas a equipa acredita que isso não deve colocar em risco a sonda.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.