Tudo começou no Twitter, no fim de julho, com uma pergunta do humorista espanhol El Monaguillo. "Sondagem muito importante. Gaspacho com pepino ou sem pepino?", pode ler-se.

Terminada a sondagem, registaram-se 3.809 votos — e 63% das pessoas acham que o gaspacho tem de levar pepino. A discussão, contudo, instalou-se. As reações foram muitas e, como conta o El País, até dois dos chefs mais conceituados em Espanha entraram no debate: Dani García e José Andrés.

Dani Garcia, cujo restaurante chegou a três estrelas Michelin no ano passado, foi o primeiro a responder no Twitter. Para o chef, incluir o pepino no gaspacho é "terrorismo gastronómico". No dia seguinte, José Andrés respondeu-lhe: "Passaste-te. Aqui o terrorista és tu", numa alusão a que se deve incluir pepino no gaspacho. Garcia, considerado pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, refere que "na cozinha não há dogmas" e que faz "gaspacho sem pepino há 25 anos" e tem sobrevivido.

Andrés respondeu ao contra-ataque, explicando que é necessário "respeitar a fórmula tradicional, sem tirar nem pôr". No caso do gaspacho, "um cozinheiro pode não colocar pepino, mas a democracia gastronómica popular decidiu que o gaspacho o leva", rematou.

De acordo com os registos históricos, a primeira receita de gaspacho andaluz — com pepino — data de 1824 e é atribuída a Mary Randolph, no livro The Virginia House-Wife. Por outro lado, em 1892, a receita surge no Diccionario general de cocina de Ángel Muro, como um "verdadeiro gaspacho andaluz" sem pepino mas com pimento. Há ainda uma variação em que o gaspacho leva cebola e pepino picado.

Para Fernand Huidobro, presidente da Academia de Gastronomia da Andaluzia, a receita "certa" do gaspacho é simples: "coloque o que tiver". "O gaspacho nasceu como um prato típico de pessoas humildes e sem possibilidades. Colocavam o que tinham, o que dava mais sustento para passarem o dia no campo. Mais tarde, quando se tornou um prato mais urbano, foi estabelecida uma receita mais ou menos oficial, com cinco ingredientes básicos: tomate, alho, azeite, vinagre e sal", referiu.

O pepino, no fundo, é uma questão de gosto. Há quem diga que melhora o gaspacho e quem considere que, por ser forte, acaba por camuflar o sabor dos restantes ingredientes. E se a sabedoria popular diz que gostos não se discutem, a discussão que tem vindo a dividir Espanha mostra que sim — e é tão saudável quanto comer gaspacho num dia quente de verão.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.