As antocianinas, que são consideradas bons antioxidantes, estão associadas à prevenção de doenças e ao combate ao envelhecimento precoce, disse à Lusa o investigador Nuno Mateus, do Laboratório Associado REQUIMTE, sediado no Departamento de Química e Biologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP).

Segundo o investigador, estas atuam na captação de radicais livres, em propriedades antimicrobianas e em atividades de cicatrização e quimio-preventivas, no entanto, a sua estabilidade é "muito afetada por fatores como o pH, a luz e a temperatura".

Devido a isso, para além das antocianinas nas suas formas nativas (com cor vermelha), os investigadores vão utilizar alguns dos seus derivados, que sejam mais estáveis mas que mantenham a bioatividade e exibam cores atrativas (como o laranja e o azul), para incorporar os produtos para de prevenção e cuidados de pele.

Para testar os compostos desenvolvidos, a equipa utiliza um sistema elétrico não-invasivo que permite quantificar a adesão celular, a proliferação, a mobilidade e a resposta celular a um estímulo externo, denominado ECIS (Electric Cell-substrate Impedance Sensing).

Este método possibilita igualmente induzir danos (como por exemplo uma ferida num modelo de pele), registar o processo de cicatrização e monitorizar de forma contínua mono-camadas de células, que desempenham um papel essencial na regulação do livre movimento de moléculas entre os diferentes tecidos.

"Em várias doenças, assim como nos estados inflamatórios, estas barreiras ficam comprometidas, e desta forma, a monitorização da permeabilidade de células tratadas com compostos naturais é de elevado interesse", disse o investigador.

De acordo com Nuno Mateus, a utilização de métodos que utilizem modelos de pele ou epiderme humana reconstruídos surge como uma alternativa para o uso de modelos animais.

"Estes são modelos biológicos reprodutivos, acessíveis e similares ao local de aplicação final (pele), permitindo avaliar as matérias-primas e as formulações finais", explicou.

Alguns dos próximos passos do projeto, que está no segundo ano, passam por estudos de proteção do envelhecimento celular da pele na presença dos derivados de antocianinas e os danos UV, o seu efeito no crescimento do microbiota da pele e a otimização das formulações finais e estudos da estabilidade à luz, temperatura e humidade.

Financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), finaliza em março de 2019 e envolve professores, investigadores, bolseiros de pós-doutoramento e alunos de doutoramento.

O grupo de investigação do qual Nuno Mateus faz parte tem-se dedicado durante os últimos 20 anos à recuperação de antocianinas de agro resíduos e ao estudo da química de diferentes classes de compostos presentes em matrizes alimentares, mais concretamente no vinho tinto.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.