Rissóis em canções de amor, uma intérprete embaixadora dos perfumes Jean Paul Gaultier, uma banda e mais bailarinos — esta é a edição deles. A segunda semifinal do Festival da Canção começou longe do milhão e tal de visualizações no YouTube de "Telemóveis", de Conan Osíris, e dificilmente alguma das atuações desta noite lá chegará. Ele que teve a pontuação máxima do público e que fez escorrer muita tinta e muitos memes; ele que é o grande favorito.

Se as novidades propostas a cada edição têm-se revelado um sucesso, como a disponibilização este ano dos temas na íntegra antes das galas, há algo que ainda está por afinar: a distribuição dos intérpretes pelas duas semifinais, uma mais forte que a outra.

Favoritos à parte — e NBC era o desta noite, escreveu a Internet e os sites especializados —, a segunda semifinal partiu morna, no entusiasmo que lhe era dedicado e nas atuações. Só à quarta atuação vimos um intérprete aparentemente feliz por ali estar.

E felizes ficaram os intérpretes dos quatro temas que passaram à final. Foram eles: “Igual a ti” (NBC), “Pugna” (Surma)",“Mundo a mudar” (Madrepaz) e “Mar Doce” (Mariana Bragada).

Surma foi a mais pontuada pelo júri e NBC recebeu os 12 pontos do público. Com apenas seis pontos no total, Lara Laquiz foi a menos pontuada. "Mar Doce" e “Lava” ficaram empatadas com 15 pontos, mas a primeira seria a escolhida, já que, segundo o regulamento, nas semifinais prevalece a canção com mais votos do júri.

Os finalistas deste sábado juntam-se a Matay, Conan Osíris, Calema doAna Cláudia, com os temas “Perfeito”, “Telemóveis”, “A dois” e “Inércia”, respetivamente.

Depois de António Calvário e Eduardo Nascimento, este sábado foi a vez do festival homenagear mais dois nomes que fazem parte da sua história. Um reencontro de gerações com música dos Kumpania Algazarra para dar corpo a dois temas dos anos 70. Carlos Mendes voltou a dar voz, no palco do Festival da Canção, a "Festa da Vida" (1972) e Manuela Bravo a "Sobe, Sobe, Balão Sobe" (1979) — ela que também foi a Israel.

Também a "Desfolhada", de Simone de Oliveira, canção que em 1969 representou Portugal na Eurovisão, foi relembrada: "agora, como há cinquenta anos".

A grande final será a sul, em Portimão, no próximo sábado. De acordo com a RTP, os bilhetes para quem quiser assistir ao vivo já estão esgotados. Quem ficar por casa, saiba que pode acompanhar a emissão no canal um, a partir das 21h00. A gala terá apresentação de Filomena Cautela e Vasco Palmeirim. Isaura, vencedora da edição do ano passado e uma das juradas desta, deixou no ar, esta noite, a possibilidade de revelar um tema novo e em português.

Na final, as votações do júri serão feitas por representantes de sete regiões de Portugal Continental e ilhas.

De Portimão sairá o representante português na Eurovisão, que este ano acontece em Israel no mês de maio. À hora deste artigo, Portugal fixava-se no 12º lugar nas casas de apostas eurovisivas.

Recorde todas as atuações da segunda semifinal por ordem de atuação:

“O Lugar” - Lara Laquiz

“Lava” - Dan Riverman

“Mar Doce” - Mariana Bragada

“O Jantar” - João Couto

“Mundo a mudar” - Madrepaz

“Pugna” - Surma 

“Debaixo do luar” - Mila Dores

“Igual a ti” - NBC

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.