Já a Associated Press (AP) refere quatro mortos e mais de uma centena de feridos.

“Quatro mortos — dois civis e dois cadáveres não identificados — foram trazidos para o hospital Balkh e cerca de 115 pessoas ficaram feridas, disse o médico Mohammad Faiz”, escreve a AP.

Um balanço anterior indicava que duas pessoas morreram e 32 ficaram feridas no ataque.

O ataque começou por volta das 23:00 de quinta-feira (18:30 em Lisboa) e terminou algumas horas depois, disse à Efe Munir Ahmad Farhad, porta-voz do governador da província de Balkh, da qual Mazar-e-Sharif é a capital.

A mesma fonte explicou que depois da explosão do camião, um número indeterminado de assaltantes lançaram-se contra o edifício.

O porta-voz disse que cinco civis morreram e dezenas ficaram feridos, mas afirmou não ter informação se havia ou não “vítimas dentro do consulado”, já que as tropas afegãs que participaram na operação de resposta não entraram nas instalações consulares.

Por sua vez, o porta-voz talibã Zabihullah Mujahid disse em comunicado que o ataque foi uma vingança pelo recente bombardeamento de “países invasores” na província nortenha de Kunduz, que causou vítimas civis, e acusou a Alemanha de estar por detrás de “todos os crimes” nessa zona.

Segundo a versão dos rebeldes, a maior parte do consulado foi destruído no ataque e os seus “espiões, soldados e outros funcionários morreram ou ficaram feridos”.

Pelo menos 32 civis morreram esta semana numa operação realizada por forças afegãs com o apoio aéreo dos Estados Unidos contra um grupo de talibãs que se tinham reunido no norte da cidade de Kunduz, capital da província homónima.

O Afeganistão vive uma situação de crescente violência face ao progresso dos talibãs, que nas últimas semanas intensificaram os combates nos arredores de pelo menos cinco das 34 capitais da província, incluindo Kunduz.

A NATO permanece no país com cerca de 12.000 efetivos em tarefas de apoio às forças nacionais e os Estados Unidos marcam presença com 9.800 soldados, uma dotação que diminuirá em 2017 para 8.400 militares.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.