Segundo o Ministério da Saúde iraniano, 207 pessoas morreram nas últimas 24 horas com o novo coronavírus, um número não registado desde o início de agosto, e 3.565 foram infetadas.

O número global de mortos, desde o início do surto, em fevereiro passado, sobe assim para 25.222 e o de infetados para 439.882, dos quais 84% superaram a doença.

Os números estão a preocupar as autoridades, que assistem a uma escalada no número de mortes e de infeções, em praticamente todas as províncias do país, levando o Governo a admitir reimpor as restrições aplicadas na fase inicial da pandemia.

O Presidente iraniano, Hasan Rohaní, admitiu a imposição de sanções “aos que continuam a contornar os protocolos de saúde” e anunciou que se a situação não melhorar, algumas restrições deverão ser de novo decretadas.

As autoridades iranianas estão a negociar com a Rússia protocolos para a produção conjunta de uma vacina contra a covid-19.

O embaixador iraniano em Moscovo, Kazem Yalali, disse hoje que os dois lados realizaram “várias rondas de consultas” e que o seu país vai cooperar na produção.

“O Irão tem meios para poder produzir a vacina”, disse o embaixador.

A Rússia registou a vacina Sputnik V, em agosto passado, que entrou na sua terceira fase de testes clínicos em 9 de setembro.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 984.068 mortos e cerca de 32,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.