Em declarações à agência Lusa, o presidente do município, Basílio Horta (PS), explicou que a iniciativa “Regresso em Segurança às Escolas de Sintra” servirá para acautelar a propagação do novo coronavírus.

“Era um investimento muito necessário, era um investimento imprescindível. Nós vamos ter aqui, em Sintra, 47 mil crianças – meninos e meninas – que vão ter pela primeira vez escola presencialmente [desde o período de confinamento e o ensino à distância]. Nós temos o dever de, com todos os meios que temos ao nosso dispor, prevenir o contágio [da covid-19]”, realçou.

De acordo com o autarca, o programa faz parte de um conjunto de medidas de prevenção praticadas pela autarquia.

Compreendendo 30 agrupamentos e 157 edifícios escolares, o regresso da comunidade escolar sintrense envolve mais de 47.552 alunos, 4.221 professores e 1.531 pessoal não docente, que terão, agora, elementos de desinfeção e higienização pessoal nos estabelecimentos de ensino “do setor público e do setor privado”.

Segundo Basílio Horta, o município vai garantir um ‘kit’ à comunidade educativa, com um saco, máscara e frasco de solução antissética de base alcoólica.

“A entrega dos ‘kits’ não será regular. Será entregue no primeiro ano escolar e depois será regular para quem não tiver capacidade financeira. Os rendimentos sociais de inserção e os salários mínimos, esses, têm apoios sociais […] e aí câmara não deixará de tomar em conta essa situação”, afirmou.

Além da entrega dos ‘kits’, o programa visa a instalação, na entrada de todos os estabelecimentos de ensino pré-escolar e do 1.º ciclo, dispensadores de álcool desinfetante, bem como irá garantir em todas as escolas do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do ensino secundário equipamentos eletrónicos dispensadores de gel com medição de temperatura sem necessidade de contacto.

De acordo com o município, serão também instalados doseadores de pé com álcool, em cada pavilhão das escolas do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do ensino secundário, adiantando que “em todos os locais de atendimento ao público das escolas serão instalados painéis acrílicos de proteção”.

Basílio Horta lembrou ainda que a autarquia preparou todos os refeitórios escolares, de todos os níveis de ensino, para a possibilidade de disponibilização de ‘kits’ alimentares para consumo no domicílio dos alunos, em regime de ‘take away´, acrescentando que será garantida a distribuição de refeições a pais de alunos que “tenham ficado no desemprego”.

O próximo ano letivo tem início entre 14 e 17 de setembro, com o regresso das atividades letivas presenciais, depois de um ano que terminou com o ensino à distância, devido à pandemia.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 832 mil mortos e infetou mais de 24,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.815 pessoas das 57.074 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.