Deniz Jaffer e Jamie Lewis eram os agentes encarregados de guardar a área onde foram encontrados os corpos de Bibaa Henry, de 46 anos, e Nicole Smallman, de 27, que foram esfaqueadas em junho de 2020 em Wembley Park, a noroeste de Londres.

No entanto, os dois polícias, de 47 e 33 anos, respectivamente, atravessaram o cordão de isolamento para fotografar os corpos. Jaffer tirou quatro fotos e Lewis, duas, que depois foram difundidas pelo WhatsApp. Um dos agentes chegou a enviar para uma colega uma fotomontagem dos corpos com o rosto de um dos oficiais.

A mãe das vítimas qualificou os polícias, que estão afastados de suas funções desde 22 de junho de 2020, de "desprezíveis". "Estes agentes aumentam a dor da nossa família", afirmou.

Durante o anúncio da pena nesta segunda-feira em Londres, o juiz Mark Lucraft denunciou o comportamento dos agentes, que classificou de "espantoso e inexplicável".

A família das vítimas ressalvou a "vergonha" que representou este comportamento, e a polícia mostrou-se "horrorizada pela atitude vergonhosa" dos oficiais.

Contudo, a atitude dos dois agentes não foi a única falta grave que a polícia cometeu durante a investigação do caso.

Em meados de outubro, O Gabinete Independente para a Conduta Policial (IOPC, na sigla em inglês) revelou os erros cometidos e qualificou de "inaceitável" a atitude da Polícia Metropolitana de Londres (MET, que também é conhecida como Scotland Yard) face ao desaparecimento das duas irmãs.

Os parentes das vítimas tinham alertado para o desaparecimento das duas irmãs depois da comemoração do aniversário da mais velha, em 5 de junho, em Wembley Park. No entanto, os erros da polícia no tratamento da informação levaram ao arquivamento das investigações. Finalmente, foram os próprios familiares que encontraram os corpos em 7 de junho.

Danyal Hussein, um homem de 19 anos, foi condenado à prisão perpétua, com um mínimo de 35 anos de reclusão, pelo "assassinato brutal" das duas irmãs.

O Tribunal Penal Superior considerou que Hussein tinha iniciado uma "campanha de vingança" contra mulheres escolhidas aleatoriamente.

A polícia encontrou no seu apartamento um manuscrito firmado com sangue no qual ele prometia a uma entidade satânica que mataria seis mulheres a cada seis meses, em troca de riqueza.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.