"Há uma perfeita descrença nas eleições europeias, o que configura aquilo que já disse há alguns dias: que amor com amor se paga. Ninguém consultou os trabalhadores e o povo sobre a entrada na Comunidade Económica Europeia, sobre a adesão de Portugal à moeda única, e agora o povo retribui na mesma moeda, com indiferença total em relação às eleições europeias", disse à agência Lusa Luís Júdice, depois de uma ação de campanha junto de trabalhadores da Lisnave e na baixa de Setúbal.

Para o cabeça de Lista do PCTP/MRPP, os trabalhadores e o povo português "não veem na Europa qualquer solução paras as suas preocupações, para o seu dia a dia".

"Pelo contrário, vêem que estão sempre sujeitos a uma austeridade que lhes é imposta do exterior, porque nós abdicámos na nossa soberania, quer a nível orçamental quer, sobretudo, a nível da moeda. Somos candidatos ao Parlamento Europeu, mas somos o único partido que defende que é para sair na União Europeia e do euro", disse.

"O nosso programa de ação visa que, mesmo que seja eleito um deputado do PCPT/MRPP ao Parlamento Europeu, não é para colaborar com o Parlamento Europeu, é para utilizar todas as plataformas que forem obrigados a pôr à nossa disposição, para promover a unidade a nível dos povos europeus, para o desmantelamento daquilo que consideramos que é uma União absolutamente reacionária e contra os povos", sublinhou Luís Júdice.

O candidato do PCTP/MRPP salientou ainda que os defensores da União Europeia "falam de convergência e progresso social" e contrapõe com os "113 milhões de europeus a viver na pobreza e 32 milhões de trabalhadores, que, apesar de trabalharem e terem um rendimento de trabalho, estão à porta da pobreza".

"Estes dados não são do PCTP-MRPP, são do Eurobarómetro. São dados insuspeitos, não fomos nós que os fabricámos. Esta é a Europa da convergência e do progresso que têm para nos oferecer. É a Europa da austeridade. Como não podemos exigir sobre o Euro e não temos moeda própria, somos obrigados a uma armadilha diferente: como não é possível fazer-se uma desvalorização da moeda, faz-se a desvalorização do trabalho e do tempo de trabalho", concluiu o cabeça de lista do PCTP/MRPP

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.