“Quando se olha para as estatísticas sobre estrangeiros em processos judiciais, eles pagam a fiança para sair e depois não aparecem no tribunal”, disse o diretor-geral da procuradoria tailandesa, Chatchom Akapin, em conferência de imprensa.

Hakeem Ali Al-Araibi, de 25 anos, detido quando se encontrava em lua-de-mel na Tailândia, foi condenado à revelia a dez anos de prisão pelo tribunal do Bahrein, acusado de danificar uma esquadra da polícia em 2012, durante protestos à margem da Primavera Árabe, que sempre negou.

Em 04 de fevereiro, um tribunal tailandês decidiu prorrogar a detenção por pelo menos dois meses do ex-futebolista da seleção do Bahrein – que corre o risco de ser extraditado para aquele país -, dando a Hakeem Ali Al-Araibi 60 dias para apresentar a sua defesa.

Uma campanha internacional que envolve o próprio governo da Austrália, onde desfruta do estatuto de refugiado político porque teme ser torturado no seu país de origem, pede a libertação do jogador e o regresso ao país de adoção.

"A Tailândia é altamente culpada na detenção de Hakeem, mas ainda tem o poder de contornar o processo judicial e tomar a decisão de mandá-lo para casa na Austrália", disse em comunicado o coordenador para os refugiados da Amnistia Internacional, Graham Thom.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.