Um juiz de instrução francês foi encarregado de investigar Mohammed bin Zayed Al-Nahyane, príncipe herdeiro de Abu Dhabi, por possível "cumplicidade em atos de tortura" nas prisões do Iémen, informaram nesta sexta-feira à AFP fontes próximas ao caso.

Seis iemenitas apresentaram queixa com constituição de parte civil na acusação de crimes contra a humanidade do Tribunal de Paris. "Os meus clientes estão satisfeitos com a abertura do processo de investigação e têm grandes esperanças na justiça francesa", afirmou o advogado, Joseph Breham, à AFP.

Os queixosos denunciaram atos de tortura cometidos em centros de detenção no Iémen, controlados pelas forças armadas dos Emirados Árabes Unidos, que estão associados  numa coligação ao lado da Arábia Saudita contra os rebeldes huthis, que ocupam a capital Sanaa desde 2014.

Mohammed bin Zayed, comandante das forças armadas dos Emirados Árabes Unidos, "provavelmente forneceu os meios e as instruções para a realização desses delitos", destacou a queixa.

Em virtude de sua "jurisdição universal" para os crimes mais graves, a justiça francesa tem a possibilidade de processar e condenar os autores e cúmplices desses crimes quando estão em território francês.

Queixas com a constituição de uma parte civil tornam quase automaticamente possível a abertura do processo judicial e a nomeação de um juiz de instrução para realizar as investigações.

Durante a visita a França, em 21 de novembro de 2018, Mohammed bin Zayed discutiu a situação no Oriente Médio com o presidente Emmanuel Macron, em particular sobre a situação no Iémen.

Este conflito deixou dezenas de milhares de mortos, a maioria civis. Em julho de 2019, os Emirados Árabes Unidos, principal aliado da Arábia Saudita, decidiram reduzir sua presença militar no país.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.