"Tendo em conta que estão reunidas as condições para podermos negociar com a Antram e com o Governo, foi deliberado hoje, aqui no nosso plenário, desconvocar a greve", disse Pedro Pardal Henriques à saída da reunião.

O plenário teve início pelas 16:00, em Aveiras de Cima (Lisboa), depois de ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que começou na sexta-feira à tarde e que durou cerca de 10 horas, tendo terminado na madrugada de sábado.

Francisco São Bento, presidente do Sindicato, acrescentou que uma nova greve pode vir a ser convocada, caso a Antram "demonstre uma postura intransigente na reunião do próximo dia 20 de agosto".

O Governo confirmou hoje que irá realizar-se uma reunião na terça-feira, 20 de agosto, entre o sindicato dos motoristas de matérias perigosas (SNMMP) e a associação patronal (Antram).

A direção do SNMMP está desde já mandatada para "continuar a desencadear todas as diligências consideradas adequadas à defesa dos motoristas de matérias perigosas, incluindo o recurso à medida mais penalizante, nomeadamente a convocação de greves às horas extraordinárias, fins de semana e feriados", disse o dirigente sindical.

Francisco São Bento leu ainda um conjunto “de considerandos” aprovados pelos motoristas e lidos no final do plenário.

No documento, os motoristas consideram que a Antram (Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias) “recusou ceder um milímetro face à sua proposta inicial, rejeitando uma proposta de compromisso” articulada, no dia 16 de agosto, pelo Governo e sindicato, “não alterou substancialmente a sua posição intransigente” e mostrou falta de interesse em reunir hoje”, antes de plenário.

Os considerandos estendem-se também ao Governo, que o SNMMP afirma ter restringido e tentado “eliminar o direito à greve dos motoristas e, consequentemente, dos portugueses”, determinando serviços mínimos “com o único objetivo de proteger as empresas” associadas da Antram.

O sindicato acusa também o Governo de usar as Forças Armadas e as forças de segurança “em proveito das empresas” associadas da Antram que, “comprovadamente, tem demonstrado desejar que a greve se mantenha por tempo indeterminado”.

Na lista de considerandos, o sindicato ressalva não nunca ter estado “interessado em prejudicar os portugueses” com a paralisação que decorria desde o dia 12, mas vinca que os motoristas “têm direito a lutar por condições de trabalho minimamente dignas”.

Por isso, refere o documento aprovado, os motoristas consideram “imperativo demonstrar à Antram que não irão abdicar do que é seu por direito”, apesar da desconvocação da greve para que possa realizar-se a reunião negocial a reunião que decorrerá na terça-feira, pelas 16:00, no Ministério das Infraestruturas e Habitação.

No sábado, a associação das empresas de transportes de mercadorias (Antram) disponibilizou-se para integrar um processo de mediação junto da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, afirmando ser convicção da “associação que um processo de mediação, realizado em clima de paz, poderá conduzir à solução do problema”.

De seguida, o porta-voz do sindicato de motoristas de matérias perigosas, Pedro Pardal Henriques, disse ver com agrado a disponibilidade da associação, mas ressalvou ser necessário que a base de entendimento já debatida seja aceite.

A greve começou na segunda-feira, 12 de agosto, por tempo indeterminado, para reivindicar junto da Antram o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas (SIMM), mas este último desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

No final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos que tinha determinado.

No sábado ao final do dia, o Ministério do Ambiente e Transição Energética disse que a requisição civil foi cumprida e os serviços mínimos “superados”, com o último balanço a demonstrar "uma crescente normalidade da situação".

*Com agência Lusa

(Notícia atualizada às 21h16)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.