As forças russas fizeram uso dessas armas “em pelo menos três bairros residenciais de Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, a 28 de fevereiro”, afirmou a organização internacional de defesa de direitos humanos, citada pela agência francesa AFP.

A HRW afirma ter identificado o uso de armas de fragmentação através de um ‘rocket’ 9M55K Smerch, de fabrico russo.

“Kharkiv foi alvo de ataques incessantes das forças russas e os civis esconderam-se no subsolo para escapar às explosões e destroços”, disse o diretor de armamento na HRW, Steve Goose.

“Utilizar armas de fragmentação em zonas habitadas demonstra um desprezo profundo pela vida humana”, disse.

Segundo a ONG, “a sua utilização na forma como está documentada em Kharkiv pode constituir um crime de guerra”.

As bombas de fragmentação são compostas por um invólucro, como um obus, contendo projéteis explosivos, de tamanho mais reduzido, chamados ‘sub-munições’. Altamente imprecisas, atingem uma enorme quantidade de civis.

O seu uso é proibido pela Convenção de Oslo de 2008, que Moscovo não assinou.

“O seu uso massivo por certos exércitos em zonas habitadas provocou, nos países em causa, consequências humanitárias desproporcionadas”, segundo uma nota do Senado francês, citada pela AFP.

As bombas de fragmentação dispersão uma multiplicidade de munições mais pequenas num perímetro muito alargado. Algumas não detonam e podem provocar mortes anos mais tarde, à semelhança das minas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.