“Em Ussuriysk, a base militar incendiou-se, os escritórios de alistamento militar incendiaram-se, as universidades militares incendiaram-se, alguns armazéns, as casas de governadores”, disse Arestovich.

No entanto, o conselheiro de Zelensky sublinhou, numa entrevista citada pela agência de notícias ucraniana Unian, que Kiev “desconhece o que está a acontecer na Rússia”.

Pelo menos 17 pessoas morreram num incêndio que ocorreu em 21 de abril num instituto de investigação das Forças Aeroespaciais russas em Tver, cidade a cerca de 200 quilómetros de Moscovo.

Um incêndio deflagrou na segunda-feira num grande depósito de combustível na cidade de Bryansk, perto da fronteira ucraniana, anunciaram as autoridades russas, sem especificar as razões do fogo.

Segundo as agências de notícias russas citadas pela agência France Presse, “o incêndio deflagrou no depósito de combustível Transneft Bryansk-Druzhba, em Bryansk”, uma cidade localizada a 150 quilómetros da fronteira com a Ucrânia, que serve como base logística à ofensiva militar de Moscovo naquele país.

De acordo com as primeiras informações, não há vítimas a registar.

Moscovo tem acusado repetidamente as forças ucranianas de realizarem ataques em solo russo, incluindo numa aldeia na região de Bryansk, em meados de abril.

No início de abril, o governador da região de Belgorod, também na fronteira, alegou que helicópteros ucranianos tinham disparado num depósito de combustível.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.