Segundo a nota do MP, colocada na sua página na Internet, há fortes indícios de que durante 10 anos (2020-2012) os arguidos aproveitaram o facto de uma deles ter sido diretora-geral de uma IPSS sem fins lucrativos e presidente do conselho de administração da mesma para obter regalias através de aumentos salariais crescentes.

O correio da Manhã noticia que os arguidos eram um casal e que a IPSS em causa é a Associação Mutualista Nossa Senhora da Conceição, no Montijo, tendo ambos sido detidos em dezembro de 2016.

Os dois arguidos, beneficiaram, segundo a acusação, do inflacionamento, não real, do número de utentes que comunicaram à Segurança Social, tendo por isso conseguido um aumento indevido da prestação social paga pelo Estado, que usaram em proveito próprio.

Ambos os arguidos engendraram um plano para conseguirem a transferência de dinheiro fraudulenta da IPSS para as suas contas bancárias, que gastaram, prejudicando a instituição.

Na acusação, o MP requereu também que quase 639 mil euros fossem declarados perdidos a favor do Estado.

O inquérito foi dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal do Montijo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.