"O nosso objetivo é garantir que o Afeganistão nunca mais se torne um santuário para os terroristas que atacariam os nossos próprios países", disse Jens Stoltenberg em comunicado.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, descartou na segunda-feira à noite a retirada dos Estados Unidos do Afeganistão, abrindo a possibilidade de enviar tropas adicionais.

“O meu instinto era retirar, e normalmente eu sigo o meu instinto”, disse Trump, a partir da base norte-americana em Fort Myer, no sudoeste de Washington. Mas depois de uma análise, “sob todos os ângulos”, do Afeganistão, o Presidente norte-americano concluiu que uma retirada ia criar um “vazio” que iria beneficiar os “terroristas”.

Cerca de 2.400 soldados norte-americanos morreram no Afeganistão desde 2001, e mais de 20.000 ficaram feridos.

O secretário da Defesa norte-americano, Jim Mattis, disse, num comunicado divulgado após o discurso de Trump, que as tropas no Afeganistão vão ser reforçadas.

Segundo responsáveis da Casa Branca, Donald Tump autorizou o Pentágono a destacar até 3.900 soldados adicionais.

“Vou consultar o secretário-geral da NATO e os nossos aliados, muitos dos quais também se comprometeram a aumentar o número de soldados destacados”, disse Jim Mattis no comunicado.

Atualmente 8.400 militares norte-americanos estão destacados no Afeganistão. Os Estados Unidos chegaram a ter 100.000 tropas no país durante a administração de Barack Obama, em 2010-2011.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.