Apesar de o papel da evolução do papel da mulher na sociedade, o seu significado ainda não reflete essa mudança nos dicionários, segundo os autores da iniciativa, em comunicado enviado à Lusa, continuando a ser “demasiado redutor, simplista e até associado a expressões e palavras de cariz depreciativo”.

No dicionário ‘online’ Priberam, a palavra mulher encontra-se definida por “pessoa adulta do sexo feminino; cônjuge ou pessoa do sexo feminino com quem se mantém uma relação sentimental e/ou sexual; pejorativo: mulher pública: meretriz”.

Até 16 de maio, todos podem contribuir para a revisão da palavra “mulher” através do site www.palavramulher.pt, onde irão estar reunidos e partilhados todos os contributos.

No final, os linguistas da Priberam irão analisar as propostas para a revisão da palavra, que ficará disponível a 22 de maio.

As cantoras Simone de Oliveira e Gisela João, o estilista Luís Buchinho, a atleta Vanessa Fernandes, a cientista Raquel Oliveira e o ‘chef’ José Avillez foram as personalidades convidadas para dar o seu testemunho sobre o papel da mulher na sociedade e a definição da palavra em 2018.

Contactada pela Agência Lusa, Cláudia Pinto, linguista da Priberam, admite que também a palavra “homem” pode conter atualmente um significado redutor e que poderá vir a ser revista. Contudo, afirma que “para já a iniciativa está destinada à palavra ‘mulher’”.

Segundo o dicionário Priberam, homem é “[Biologia] mamífero primata, bípede, com capacidade de fala, e que constitui o género humano”; “Indivíduo masculino do género humano depois da adolescência”; “[Figurado] Humanidade, género humano”; “Pessoa do sexo masculino casada com outra pessoa, em relação a esta”, “Pessoa do sexo masculino com quem se mantém uma relação sentimental e/ou sexual” e “Conjunto das pessoas do sexo masculino”.

Na opinião de Cláudia Pinto, apesar de um dicionário não poder filtrar a realidade à medida de quem o faz ou de quem o lê, branqueando usos preconceituosos ou pejorativos de determinadas palavras, sejam eles de género, raça, orientação sexual ou de qualquer outro tipo, pode e deve ser o mais neutro, abrangente e inclusivo possível.

Luís Fernambuco, gestor da FOXlife em Portugal, defende a importância da iniciativa para que “a definição de mulher não se baseie apenas em lugares-comuns ou em ideias feitas.”

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.