"Queimar os livros e outros objetos foi um ato infeliz", declarou o padre Rafal Jarosiewicz na página do Facebook da fundação "SMS of the Skies", que organizou a cerimónia em que foram queimados os livros.

"Não foi uma questão de gozar com qualquer grupo social ou de qualquer religião e não visava os livros ou a cultura. Se alguém entendeu o meu ato assim, peço sinceras desculpas", escreveu o padre.

Rafal Jarosiewicz e dois outros padres católicos queimaram em público, no domingo em Gdansk, os livros das famosas sagas "Harry Potter" e "Crepúsculo" por considerá-los ofensivos ou impróprios. Além dos livros, havia objetos como amuletos e talismãs trazidos pelos fiéis.

Os livros foram incendiados enquanto orações eram ditas e um pequeno grupo de pessoas observava. As imagens foram partilhadas na conta da fundação SMS From Heaven, que se define como evangélica católica, mas entretanto foram já apagadas. A conta do grupo tem mais de 22.000 seguidores e a publicação foi acompanhados de emojis de fogo e citações do Antigo Testamento que condenando a feitiçaria e a idolatria.

Segundo Jan Kucharski, exorcista e sacerdote da paróquia de Nossa Senhora Mãe da Igreja em Gdansk, "não se tratava de queimar livros, mas de objetos associados à magia e ao oculto".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.