No final de uma visita à Residência de Pré-Autonomia Santa Isabel, uma casa de acolhimento a crianças e jovens em risco da Casa Pia, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que a assinatura da adenda ao acordo de concertação social demonstrou que “o acordo estava vivo, está vivo e estará vivo”.

“É uma grande força, uma grande vitória da democracia portuguesa”, afirmou, dizendo ter considerado “exemplar” que os mesmos parceiros que assinaram um acordo tenham agora assinado a adenda.

O Governo, as confederações patronais e a UGT assinaram hoje uma adenda ao acordo de dezembro, que vai substituir a descida da Taxa Social Única (TSU) pela redução do Pagamento Especial por Conta (PEC), depois de a primeira solução ter sido revogada pelo parlamento.

Questionado como via os sinais de crispação entre a UGT e CGTP, o chefe de Estado disse que apenas deu conta destes na comunicação social.

“Não vi nenhuma crispação, ao longo da última semana recebi as duas centrais sindicais - e até recebi outros sindicatos que não estão nas duas confederações - e não encontrei crispação, nem muito menos crispação entre elas”, salientou, dizendo que “em democracia é normal que as pessoas falem a vários tons”.

Para o chefe de Estado, a adenda hoje assinada teve uma “dupla vantagem”.

“Correspondeu a um triunfo da concertação social mas ao mesmo tempo teve um contributo da democracia parlamentar”, frisou.

Com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, ao seu lado, o Presidente da República sublinhou também o papel do Governo neste processo.

“Há que reconhecer que o Governo e o senhor ministro tiveram um papel muito importante para se chegar ao acordo e para se chegar à adenda”, disse.

Também Vieira Silva preferiu não se pronunciar sobre eventuais tensões entre CGTP e UGT, salientando “a reunião muito tranquila” que teve hoje com os parceiros sociais e na qual até já se desenharam as prioridades para o primeiro semestre de 2017.

“Encontrámos um consenso relativamente fácil em torno de questões como as portarias de extensão de contratação coletiva, como a questão da formação profissional, o modelo contributivo dos trabalhadores independentes”, explicou, considerando que tal prova que a concertação “está viva, está dinâmica e vai apresentar resultados”.

No final de um dia em que já tinha almoçado com um casal de ex-sem-abrigo e oferecido um concerto a presidentes de Câmara de todo o país, o chefe de Estado chegou com cerca de 45 minutos de atraso à Residência de Santa Isabel e justificou-se ao ministro Vieira da Silva com os muitos autarcas que o quiserem cumprimentar no anterior ponto da agenda.

Um dos jovens que vive na casa de acolhimento da Casa Pia na Ajuda, Bruno, recebeu Marcelo Rebelo de Sousa e fez-lhe uma visita guiada pela residência, onde vivem 15 jovens (dez rapazes e cinco raparigas) a partir dos 16 anos com o objetivo de ganhar competências até que entrem no mercado de trabalho ou prossigam a sua vida escolar.

O chefe de Estado, que ficou para jantar, tal como o ministro do Trabalho, fez questão de cumprimentar a cozinheira e todo o pessoal responsável. Visitou os quartos dos residentes e assistiu a um pequeno teatro onde os jovens recriaram um cenário futuro, em 2047, em que cada um deles já tinha uma profissão, graças às competências adquiridas na residência.

O jovem guia, Bruno, foi também uma das ‘estrelas’ da peça e deu corpo, num cenário futurista daqui a 30 anos, a um ‘chef’ premiado pelo guia Michelin com o restaurante “Casa da Mami”.

No final, os atores foram aplaudidos de pé pelo Presidente, que agradeceu aos jovens por vibrarem com o papel que esperam ter na vida.

“Provavelmente estarei muito velhinho em 2047, mas quero ser convidado para um jantar nesse restaurante. Eu e o senhor ministro”, gracejou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.