Na reabertura da oficina da Comboios de Portugal (CP) em Guifões, Matosinhos, no distrito do Porto, que havia fechado em 2012, o governante vincou que o Governo está a investir na recuperação de material circulante, mas não desiste de comprar novos comboios.

“Sabemos que as necessidades hoje são muitas e que no futuro serão maiores, por isso, não desistimos de fazer a contratação de comboios novos”, disse.

Dizendo que Portugal já encomendou 22 novos comboios, que deverão chegar em 2023, Pedro Nuno Santos assumiu que o Governo “lutará” para conseguir comprar mais.

“Faremos essa luta para conseguirmos contratar a aquisição de mais comboios novos, não só para acompanhar o aumento da procura de hoje, mas aumentar o investimento que ao nível da infraestrutura ferroviária estamos a fazer”, afirmou.

O ministro adiantou que Portugal, como grande parte dos países da Europa, percebe que o comboio não é um meio de transporte do passado, mas do futuro.

Por esse motivo, o país tem de investir cada vez mais na mobilidade coletiva porque não há hoje nenhum meio de transporte que “bata” a ferrovia e o comboio pesado, entendeu.

Entre os motivos estão a quantidade de passageiros que um comboio transporta, a poupança que permite às famílias, os benefícios ambientais e o melhor contributo para a transição energética, realçou.

A reativação da oficina de Guifões foi anunciada no passado verão como parte do plano do Governo para recuperar comboios que tinham sido abandonados, até que chegue, em 2023, a encomenda de 22 novos comboios.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.