A medida visa “garantir que os passageiros estão em segurança na rede ferroviária”, segundo aquela força policial, que precisou que as patrulhas armadas se iniciaram hoje à tarde.

Agentes armados patrulham o metropolitano de Londres desde dezembro, mas a medida hoje anunciada estende este tipo de vigilância ao resto do país.

O atentado de segunda-feira em Manchester, noroeste de Inglaterra, levou as autoridades britânicas a elevar o nível de alerta terrorista de “sério” para “crítico”.

Este nível implica, entre outras medidas, que o exército desempenhe algumas das funções da polícia, designadamente de patrulhamento de rua, para libertar recursos humanos daquela força de segurança para a investigação. Cerca de 1.000 militares já foram destacados para patrulhamento urbano.

As autoridades determinaram também o cancelamento temporário da cerimónia do render da guarda no Palácio de Buckingham e o encerramento do Parlamento britânico a todos os que não possuam autorização de entrada.

O atentado foi cometido na segunda-feira por Salman Abedi, um britânico de origem líbia de 22 anos, que se fez explodir junto a uma das saídas da Manchester Arena, onde estava a terminar um concerto da cantora ‘pop’ norte-americana Ariana Grande a que assistiam muitas crianças e jovens.

Vinte e duas pessoas morreram, além do bombista, e 75 ficaram feridas, segundo o balanço mais recente.

O atentado foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.