Em nota enviada à Lusa, a embaixada destaca os riscos da “desinformação por parte do regime em Moscovo” sobre o ponto de situação na fronteira com a Ucrânia.

“Estão a funcionar nove centros de acolhimento, oito dos quais na proximidade imediata da fronteira e um na gare de comboios na cidade de Przemysl. [Aí] podem descansar, recebem uma refeição quente, bebida e informações básicas”, pode ler-se no comunicado.

As autoridades polacas criaram uma plataforma ‘online’ de coordenação da ajuda aos refugiados ucranianos (www.PomagamUkrainie.gov.pl), e os cidadãos desse país podem registar-se num centro de emprego, “o que permite a obtenção de benefícios”, como o “acesso gratuito ao serviço de saúde”.

“As crianças ucranianas podem ser registadas nas escolas polacas e continuar a educação”, concluiu a embaixada.

Além do transporte ferroviário gratuito, alguns municípios introduziram a possibilidade de utilização gratuita de transportes públicos para “portadores de documentos de identificação ucranianos”.

Entre as mais de 700 mil pessoas que entraram no país, os grupos mais numerosos são de ucranianos, bielorrussos, uzbeques, nigerianos, indianos, argelinos, afegãos, paquistaneses, alemães e norte-americanos, que podem recorrer aos centros de acolhimento em que estão “representantes dos serviços consulares acreditados na Polónia”.

A embaixada polaca expressou ainda apreço pelo trabalho desempenhado pelos meios de comunicação portugueses no relato da situação na fronteira com a Ucrânia e agradeceu “todas as manifestações de solidariedade” desde o início da “agressão russa à Ucrânia”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.