“Enquanto Presidente, sou guiado pela opinião da população ucraniana”, indicou, em entrevista a um grupo de diários regionais, incluindo o Berliner Morgenpost.

O dirigente, que já no passado tinha manifestado vontade de consultar os ucranianos sobre esta questão, acrescentou que “há quatro anos, 16% eram favoráveis a uma adesão da Ucrânia à NATO. Agora são 54%”.

“Para mim, o que conta é a opinião da população ucraniana”, sublinhou.

Poroshenko não fixou qualquer calendário. “Se os ucranianos se pronunciarem a favor, farei tudo para chegar a uma adesão à Aliança Atlântica”, prometeu.

A Ucrânia manifestou a vontade de aderir à NATO desde que um Governo pró-ocidental foi constituído em fevereiro de 2014, na sequência da revolução da praça Maidan, da anexação do mês seguinte da Crimeia pela Rússia e o início de um conflito armado no leste separatista.

Moscovo tem denunciado repetidamente a aproximação da NATO às suas fronteiras, apesar das promessas de não-alargamento formuladas, de acordo com a Rússia, na sequência do fim do bloco de Leste.

Os combates, mais violentos desde a trégua estabelecida em dezembro, decorrem há vários dias na linha da frente no leste ucraniano, entre soldados ucranianos e rebeldes pró-russos, numa altura em que o Presidente dos Estados Unidos, favorável a uma aproximação de Moscovo, é acusado pela UE e Kiev de apoiar os rebeldes, o que Donald Trump nega.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.