Referindo-se à situação no Afeganistão, Vladimir Putin afirmou que “os talibãs devem entrar na ‘família dos povos civilizados’, porque vai ser mais fácil manter os contactos e comunicar”.

O Presidente russo utilizou expressões como ”relações civilizadas” e “respeito pelas regras civilizadas”.

O anterior regime dos talibãs, no poder entre 1996 e 2001, foi responsável por políticas e ações de repressão extremamente violentas nomeadamente contra as mulheres.

“A Rússia não tem qualquer interesse na desintegração do Afeganistão, se isso acontecer não vai haver ninguém como quem falar”, acrescentou o Presidente da Rússia.

Vladimir Putin que falava no Fórum Económico, em Vladivostoque, no extremo oriente russo, voltou a acusar os Estados Unidos pela “catástrofe em curso” no Afeganistão.

“Eles (Estados Unidos) gastaram milhões de dólares e qual foi o resultado? Nenhum”, disse Putin.

As autoridades russas adotaram nas últimas semanas uma atitude conciliatória com os talibãs, constatando a vitória dos insurgentes e apelando ao “diálogo nacional” no sentido da formação de um governo representativo.

Mesmo assim, Moscovo continua a considerar os talibãs “grupo terrorista”, apesar de manter os canais de diálogo com o Emirado Islâmico no poder desde 15 de agosto no Afeganistão.

As autoridades russas têm também demonstrado inquietação sobre a segurança das ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central e que fazem fronteira com o Afeganistão, receando o surgimento de novos grupos ‘jihadistas’ inspirados e apoiados pelo talibãs.

O Kremlin pretende igualmente evitar um fluxo regional de refugiados e o aumento do tráfico de ópio e de heroína.

Atualmente, o Afeganistão é o principal produtor de ópio.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.