Aquele departamento judicial acrescentou que enviou às autoridades locais de 75 das 81 províncias da Turquia os nomes de 1.112 pessoas suspeitas de ligações com a irmandade religiosa.

O balanço anterior apontava para mais de 641 detenções, segundo a agência noticiosa estatal Anadolu.

“Não podemos saber se as pessoas cujos nomes enviamos serão simplesmente convocadas para um depoimento ou detidas”, referiu uma fonte judicial à agência de notícias France-Presse.

“Em Ancara [capital da Turquia], prendemos 45 pessoas, mas não sabemos o que será decidido em outras províncias”, salientou a mesma fonte.

O ministro do Interior, Süleyman Soylu, alertou no domingo que uma “nova operação importante” que estava a ser preparada contra os seguidores de Gulen.

“Vamos erradicá-los deste país”, frisou.

Dezenas de milhares de pessoas foram presas desde a tentativa de golpe e mais de 140 mil foram demitidas ou suspensas dos seus empregos.

As autoridades turcas acusam Gülen de ter criado um “Estado paralelo” com o objetivo de derrubar o Governo turco e de ter sido o cérebro da tentativa de golpe de 15 de julho de 2016.

Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos desde 1999, tem negado sistematicamente qualquer ligação com o golpe de 2016.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.