De acordo com os números publicados na conta oficial do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), estavam registados, até às 10:30 (hora de Lisboa), 3.169.897 refugiados da Ucrânia, o que representa mais 106.802 do que à mesma hora de quarta-feira.

Metade dos refugiados são crianças.

A guerra desencadeada pela invasão russa, a 24 de fevereiro, também provocou o deslocamento interno de cerca de dois milhões de pessoas, pelo que o total de pessoas que tiveram de abandonar as suas casas na Ucrânia alcança já os 5,2 milhões.

Mais de metade de todos os refugiados fugiram para a Polónia, onde já entraram 1.916.445 pessoas em fuga do conflito na Ucrânia, avançou o ACNUR, adiantando, no entanto, que os guardas de fronteira polacos notaram uma queda de 11% nas entradas na quarta-feira em comparação ao dia anterior.

Antes desta crise, a Polónia já albergava cerca de 1,5 milhões de ucranianos que iam, na sua maioria, trabalhar naquele país membro da União Europeia.

De acordo com a agência de refugiados da ONU, 491.409 pessoas foram para a Roménia e 350.886 para a Moldova, mas muitos destes decidem seguir para outros países.

A Hungria recebeu 282.611 pessoas até agora, segundo dados do ACNUR contabilizados até quarta-feira, sendo que o país — que tem cinco postos fronteiriços com a Ucrânia — converteu vários edifícios públicos de cidades fronteiriças em centros de assistência.

A Eslováquia tem sido outro dos países para onde os ucranianos fogem, tendo já recebido 228.844 refugiados.

O ACNUR adianta que muitas das pessoas fogem também para a Rússia, para onde foram 168.858 refugiados, e para a Bielorrússia, onde foram recebidas 2.127 pessoas.

A agência da ONU não contabilizou as fugas para outros países que não fazem fronteira com a Ucrânia, mas estima que “um grande número de pessoas que passou as fronteiras continuou viagem a caminho de outros países”.

A organização admite recear que o número de refugiados do conflito chegue rapidamente aos quatro milhões, e que o número de deslocados internos se aproxime de sete milhões.

A crise dos refugiados ucranianos é a pior na Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial, superando os estimados 2,4 milhões causados pelas guerras na ex-Jugoslávia, durante a década de 1990.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.