A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou hoje que espera que a vacina da BioNThec/Pfizer para a covid-19 seja autorizada até final do ano e relembrou que “é a vacinação, e não as vacinas, que salva vidas”.

E foi para proceder à vacinação que Bruxelas já assinou contratos. Esperam-se 405 milhões de doses da vacina CureVac, 300 milhões de doses da BioNTech e Pfizer, da AstraZeneca e da Sanofi-GSK, 200 milhões da Johnson & Johnson e 160 milhões da Moderna.

Também o primeiro-ministro português, António Costa, apelou ao início de campanhas de vacinação simultânea em todos os Estados-membros da União Europeia, com o objetivo de garantir uma imunidade de grupo europeia. Chegou até a sugerir que todos começassem no mesmo dia.

A “vacinação salva vidas”, mas o número de vacinas que será entregue a Portugal nesta primeira fase ainda não está fechado. A ministra da Saúde, Marta Temido, explicou hoje que “o primeiro desafio” vai ser gerir “alguma escassez” de vacinas, algo que tem sido sublinhado “há muito tempo”. Assegurou, ainda, que o interesse não é apenas ter a vacina primeiro, é ter “vacinas de qualidade, seguras e efetivas”. E foi ao apelar à paciência que a ministra relembrou a importância das reuniões técnicas da Agência Europeia do Medicamento para garantir a sua segurança e eficácia. Mas este desafio é apenas o primeiro, o  seguinte será a “celeridade de administração”.

A vacina deverá chegar a Portugal em janeiro. Deverá ser universal, gratuita e facultativa, mas a sua disponibilização à população será de acordo com as características aprovadas pela Agência Europeia do Medicamento.

Estão previstas três fases de execução do plano de vacinação. Será, por isso, expectável, que no primeiro trimestre apenas 950 mil pessoas, consideradas prioritárias, tenham acesso à vacina. Já numa segunda fase deverão ser vacinados cerca de 2,7 milhões, alargando os critérios dos grupos prioritários. E apenas numa terceira fase deverá visar toda a população. Mas, como sugerido pela ministra, tudo dependerá do abastecimento das vacinas. Além disso, Portugal poderá não vacinar menores de 18 anos, grávidas e cidadãos que já tenham testado positivo para o SARS-CoV-2.

Mas, em Portugal, há já quem esteja pronto para vacinar no início de janeiro, como é o caso dos Açores. Segundo o presidente da Comissão de Acompanhamento da Luta contra a Pandemia nos Açores, Gustavo Tato Borges, a região vai receber “cerca de 20 mil doses da vacina da Pfizer”, que devem “chegar exatamente no dia 3 de janeiro”.

Nas vacinas, também houve novidades. A farmacêutica AstraZeneca e a Rússia anunciaram hoje ensaios clínicos conjuntos para avaliar a segurança e imunogenicidade da utilização conjunta das duas vacinas (ASD1222 e Sputnik V) e o Ministério da Defesa de Moscovo também informou que vai avançar com a vacinação de 100 mil militares até ao fim do ano.

Já a vacina Sanofi-GSK não estará pronta no início do segundo semestre de 2021, como era previsto, e será adiada, pelo menos, até ao quarto trimestre. Este adiamento representa menos 300 milhões das doses previstas pela Comissão Europeia. Durante 2021, a gigante farmacêutica francesa esperava poder produzir um bilião de doses.

Lembrando as palavras da ministra da Saúde, na conferência de hoje, "até que tenhamos as vacinas e mesmo depois, precisamos de continuar a responder com o sistema de saúde” e “alívio de medidas não é relaxamento", por isso, há que continuar a cumprir as regras, pois o vírus “o vírus é invisível, mas está lá”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.