De acordo com a cadeia britânica, a plataforma iQiyi Sports, detentora dos direitos de transmissão para a China, comunicou a decisão de não transmitir as partidas, nas quais os capitães das equipas deverão usar braçadeiras com a bandeira da Ucrânia.

Os organizadores da Premier League anunciaram também a intenção de exibir nos ecrãs dos estádios mensagens de apoio à Ucrânia, e de pedirem os espetadores que cumpram um momento “de reflexão e solidariedade”, antes do início dos encontros.

A Liga inglesa recusou-se a comentar a decisão da plataforma chinesa, que no ano passado adquiriu os direitos de transmissão do futebol inglês por três épocas, afirmando apenas que “condena de forma veemente a ofensiva russa à Ucrânia”.

Em 2019, o canal chinês suspendeu a transmissão de um jogo entre o Arsenal e o Manchester City, depois de o médio alemão Mezut Ozil ter criticado redes sociais o tratamento dado à minoria uigur.

Pequim tem mantido uma posição ambígua em relação à invasão russa da Ucrânia, tendo, por um lado defendido que a soberania e a integridade territorial de todas as nações devem ser respeitadas, mas, por outro, sido contra as sanções impostas contra a Rússia.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades. As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças, e, segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de um milhão de refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia, entre outros países.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.