No mapa da NBA havia, no dia de arranque desta temporada, 108 atletas não-americanos espalhados pelas trinta equipas da liga, oriundos de 42 países, o que representa um novo recorde. Pela quarta época consecutiva há mais de cem atletas internacionais na NBA, incluindo um recorde de 64 europeus, e não existe uma única equipa que não tenha, pelo menos, um jogador nascido fora dos Estados Unidos. Os Toronto Raptors e os Utah Jazz são as equipas com mais internacionais no plantel: sete. Seguem-se Boston Celtics, Philadelphia 76ers e San Antonio Spurs, com seis. E os países com o maior contingente são Canadá (11), França (10), Austrália (8) e Espanha (7).

E a culpa é – claro! – do Dream Team. O de 1992, onde brilhavam Michael Jordan, “Magic” Johnson e Larry Bird? Não, o de 2004, que contava nas suas fileiras com os nomes, consagrados hoje, de Allen Iverson, Dwyane Wade, LeBron James, Carmelo Anthony e Tim Duncan, entre outros.

Esse (suposto) Dream Team sofreu três derrotas em oito partidas – quem não se lembra do triunfo extraordinário da Argentina nas meias-finais? -, saiu de Atenas com uma medalha de bronze que ficou para a história e, mais importante do que isso, o peso de uma humilhação que mudou, em definitivo, a forma como eram vistos os atletas não-americanos.

Foi precisamente nessa altura que, pela primeira vez, a percentagem de atletas estrangeiros na NBA superou a barreira dos 20%. Uma escalada vertiginosa, se tivermos em consideração que eram menos de 2% em 1980 e perto de 10% no ano 2000. Hoje? Quase, quase nos 30%.

Os San Antonio Spurs também ajudaram – e de que maneira – a abrir os olhos dos americanos ao talento estrangeiro. O facto de serem um candidato ao título ano após ano durante praticamente duas décadas, numa liga cujas regras foram feitas para dar oportunidade a todas as equipas de ciclicamente chegar ao sucesso, levou a ESPN a questionar se a chave do êxito dos texanos era a forma como parecem privilegiar os jogadores internacionais e evitar os norte-americanos.

O trio composto por Tim Duncan (nascido nas Ilhas Virgens e escolhido na 1.ª posição do draft de 1997), Tony Parker (francês que foi a 28.ª escolha do draft de 2001) e Manu Ginobili (argentino e 57.ª escolha do draft de 1999) esteve na base do sucesso recente dos Spurs e, sob o comando do génio de Gregg Popovich, Duncan, Parker e Ginobili conquistaram quatro títulos entre 2003 e 2014 (o extremo/poste e o treinador somam, ainda, um quinto anel de campeões em 1999).

Tim Duncan, Tony Parker e Manu Ginobili são, de resto, apontados como três dos melhores estrangeiros da história da NBA. Nesse lote estão, também, nomes como os do nigeriano Hakeem Olajuwon, do alemão Dirk Nowitzki, do canadiano Steve Nash, do espanhol Pau Gasol ou do chinês Yao Ming. Mas há muitos outros. E hoje, graças a todos eles, as equipas têm menos medo de apostar em nomes vindos de fora dos States.

E, na NBA actual, há cada vez mais super-estrelas nascidas fora dos EUA a criar impacto. O grego Giannis Antetokounmpo, sobre quem escrevemos recentemente, é um dos candidatos a MVP da temporada, o letão Kristaps Porzingis pode ganhar o prémio de Most Improved Player, o camaronês Joel Embiid tem reclamado para si o título de Defensive Player of the Year e o australiano Ben Simmons está bem colocado para ser distinguido como Rookie of the Year.

E, se a NBA decidisse adoptar no All-Star Game o formato do jogo dos rookies e sophomores (Team USA vs. Team World), o problema da competitividade seria, certamente, resolvido.

Imagina isto e toma nota, Adam Silver.

De um lado, a armada norte-americana. A verdadeira Team USA.

Do outro, um cinco composto por Simmons, Wiggins, Antetokounmpo, Porzingis e Embiid. No banco estariam Goran Dragic, Dennis Schroder, Nicolas Batum, Al Horford, Serge Ibaka, Nikola Jokic e Rudy Gobert. Mas também poderiam estar Ricky Rubio, Milos Teodosic, Jamal Murray, Danilo Gallinari, Dario Saric, Marc Gasol, Steven Adams e Jusuf Nurkic. Ou até outros.

Quem não gostaria de ver este jogo meta a mão no ar.

O fenómeno da chegada de atletas estrangeiros não vai ficar por aqui. A NBA prepara-se para acolher o mais-que-provável segundo europeu a ser escolhido na 1.ª escolha do draft, depois do italiano Andrea Bargnani em 2006. O prodígio esloveno Luka Doncic, que se sagrou campeão europeu pela sua seleção este ano, e se estreou na equipa principal do Real Madrid aos 16 anos de idade, é apontado como um dos maiores candidatos a ouvir o seu nome antes de todos os outros rookies no draft de 2018.

Com o “Wonder Boy” Doncic, a liga terá mais uma ferramenta para alimentar a globalização da marca que iniciou após o impacto do Dream Team. O de 1992. E, mais do que nunca, esta nova linhagem de estrelas nascidas fora dos Estados Unidos vai tomar de assalto a NBA.

Ricardo Brito Reis é jornalista desde 2004 e tem experiência profissional em rádio, imprensa e televisão. Actualmente, é comentador de basquetebol na SportTV, função que acumula com o cargo de gestor de conteúdos e redes sociais da Federação Portuguesa de Basquetebol. Fundou o site Borracha Laranja e é ainda co-autor do podcast MVP. Paralelamente ao Jornalismo, é treinador de basquetebol de Grau II e conta com passagens por clubes como Odivelas Basket, Atlético CP, NB Queluz e Sport Algés e Dafundo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.