"Quem autorizou a FIFA e a EA Sport a usar o meu nome e rosto? Não me disseram que era um membro da FIFPro e, se sou, fui registado sem realmente ser informado, de forma esclarecida. E uma coisa é certa, eu nunca autorizei que a FIFA ou a FIFPro ganhassem dinheiro comigo”, denunciou o avançado do AC Milan no Twitter.

O franchise da FIFA que o atleta de 39 anos delata, depois de vários anos a figurar no mesmo, surgiu nos anos 1990 e é um dos jogos de vídeo mais conhecidos, destacando-se pelo seu realismo, com os nomes verdadeiros e aparências físicas dos futebolistas muito similares.

“Alguém tem lucrado com o meu nome e rosto sem fazer nenhum acordo em todos estes anos. É hora de investigar", acrescentou o sueco, numa segunda mensagem, aos seus mais de sete milhões de seguidores.

A versão 2020 do FIFA atraiu quase 35 milhões de jogadores em consola e computador, de acordo com um número divulgado pela editora americana no início deste mês: a versão de 2021 foi lançada há somente algumas semanas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.