A decisão da plataforma de conceder reembolsos integrais aos hóspedes que cancelaram as suas reservas para ficar em casa tinha provocado mal-estar nos proprietários das residências.

"Foi uma decisão baseada na proteção da saúde pública", explicou o cofundador e diretor da Airbnb, Brian Chesky.

"Embora ache que fizemos o correto, ao priorizar a saúde e a segurança, lamento ter comunicado esta decisão sem consultar nossos sócios, como deveria ter feito", acrescentou.

A Airbnb pagará agora aos anfitriões 25% do que normalmente receberiam com reservas concretizadas para o período compreendido entre 14 de março e 31 de maio, canceladas devido à Covid-19.

"Sabemos que é só um pouquinho, mas um pouquinho pode ser muito útil neste momento", disse Chesky numa transmissão em direto a partir da sua casa.

O Airbnb também criou um fundo de ajuda de 10 milhões de dólares, destinado a "super-anfitriões", aqueles que "servem como grande exemplo para outros e oferecem experiências extraordinárias aos seus hóspedes", como a plataforma os define na sua página na Internet.

O fundo ajudará aqueles "super-anfritriões" que precisam de auxílio para pagar as suas hipotecas ou rendas de casa devido ao efeito devastador do coronavírus na indústria turística.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.