“Têm sido tomadas algumas medidas. Estamos em contacto com as associações representativas do setor e é com elas que vamos trabalhar, procurando, dentro das capacidades do Estado, medidas que atenuem aquilo que é um problema grave e sério que todos estamos a sofrer”, afirmou Pedro Nuno Santos, que falava aos jornalistas à margem da celebração dos 77 anos da TAP.

O governante sublinhou que a escalada do preço dos combustíveis se deve a uma conjuntura internacional, garantindo que o executivo “está atento e a estudar medidas”.

Porém, ressalvou que “não existem milagres” e que as possibilidades de que o Estado dispõe são limitadas.

“[…] Estando conscientes das dificuldades que os nossos transportadores estão a sentir, as possibilidades de o Estado resolver não são ilimitadas. Nós vamos tentar procurar soluções dentro de bandas estreitas”, destacou.

Questionado sobre a possibilidade da suspensão do ISP (Imposto sobre os Produtos Petrolíferos), Pedro Nuno Santos disse ter conhecimento das reivindicações do setor e acrescentou que o Governo vai reunir com as associações representativas ainda esta semana.

Ainda neste âmbito, o governante considerou que em matéria fiscal tem sido feito “um grande esforço”, mas que o Estado vai analisar “até onde pode ir”.

Na sexta-feira, o Governo anunciou que uma redução do ISP nos combustíveis, para anular o acréscimo da receita do IVA resultante do aumento dos preços.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.