com o apoio MEO
Adere à fibra do MEO desde €29,99/mês. Exclusivo Online.

Temos um empate e não há direito a prolongamento. Quem ganhará por fim?

António Moura dos Santos
António Moura dos Santos

A acreditar nas derradeiras sondagens antes do dia das votações a 30 de janeiro, este domingo, PS e PSD estão virtualmente empatados nas intenções de voto para estas legislativas.

Ora, fazendo desde já a devida ressalva de que o que está em causa é a eleição de 230 deputados para a Assembleia da República e não para eleger um primeiro-ministro, é inegável que os dois partidos mais votados serão aqueles que terão uma palavra a dizer acima dos restantes intervenientes políticos.

De acordo com o estudo encomendado pela SIC e o Expresso ao ICS e ao ISCTE, o PS recolhe 35% das intenções de voto — pode significar entre 92 e 106 deputados e, por sua vez, o PSD obtém 33% — pode dar entre 87 e 101.

As outras sondagens são relativamente unânimes: a da Universidade Católica para a RTP e o Público apresenta os mesmos resultados e a da Pitagórica — para a TVI/CNN —  é ligeiramente desfavorável ao PSD (aqui tem 31,7%) e favorável em igual proporção ao PS (36,7%). O modelo desenvolvido pela Rádio Renascença — que agrega todos os dados destes estudos — assim o comprova.

Apesar da tendência de queda do PS e de crescendo do PSD nas últimas semanas, uma coisa é certa, nenhum estará sequer perto de atingir a maioria absoluta, desejada pelo PS — que assim se vê obrigado a falar com os partidos à esquerda — e ignorada pelo PSD — que concorreu já com a noção de que teria de conversar com os parceiros à direita. Pelo meio, há ainda a possibilidade de se unirem num eventual bloco central.

É à margem dos dois principais candidatos, porém, que as coisas se complicam, já que as sondagens dão valores díspares para os restantes partidos. Algumas dão um maior ascendente à IL, outras colocam-na no mesmo patamar que Chega, CDU e BE. Há ainda estudos que apontam para uma nova maioria de esquerda, ainda que periclitante.

O que parece ser unânime, porém, é a composição da “liga dos últimos”. Todas apontam para as quedas do CDS-PP e do PAN face às legislativas de 2019 e para a estabilização do voto no Livre, apesar dos conturbados últimos três anos. Resta saber se ainda haverá espaço para uma surpresa da parte de “outsiders” como o Volt, o Aliança, o RIR, o MAS, o JPP, o MPT e o Nós, Cidadãos.

Que conclusões podemos tirar daqui? É incerto ainda, até porque há duas fortes incógnitas que poderão mudar substancialmente os resultados finais:

  • A ainda significativa percentagem de indecisos: A sondagem SIC /Expresso aponta para 11% de potenciais eleitores que ainda não sabem em quem votar. Já no estudo para a TVI/CNN, o número é ainda maior, tratando-se de 15,8%.
  • A abstenção e os confinados: O velho fantasma da não-participação ressurge nestas eleições, agravado pela situação pandémica. Por um lado, é possível que uma boa parte dos confinados não façam uso do seu direito de voto recentemente assegurado; por outro, é possível também que haja pessoas temerosas de ir às urnas por medo de serem infetadas, apesar das garantias dadas pelas autoridades.

Encaminhando-nos para a reta final da campanha — termina hoje, recorde-se, porque este sábado será reservado para o dia de reflexão —, é improvável que as ações dos partidos que ainda vão decorrer mexam muito o ponteiro (se bem que, como a História nos demonstra, não seria impossível). Dependerá em grande medida dos últimos trunfos a sacar.

O histórico é favorável à esquerda, que soma nove maiorias no Parlamento face às seis da direita desde o início do regime democrático, mas isso quer dizer pouco ou nada. Se no futebol o jogo só acaba quando o árbitro apita, estas eleições podem valer até ao último voto.

Jornais do dia

  • Público
    Público
    28 Janeiro 2022
  • Jornal de Negócios
    Jornal de Negócios
    28 Janeiro 2022
  • Diário de Notícias
    Diário de Notícias
    28 Janeiro 2022
  • Ípsilon-Público
    Ípsilon-Público
    28 Janeiro 2022
  • O Jornal Económico
    O Jornal Económico
    28 Janeiro 2022
  • El País
    El País
    28 Janeiro 2022

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.
mookie1 gd1.mookie1