Já depois de sair do palco principal da Web Summit, onde garantiu que fará tudo o que estiver ao seu alcance para travar o Brexit — “Sou 100% contra o 'Brexit'. Irei fazer tudo para o impedir. Aliás, é possível travá-lo. Não é do nosso interesse político nem económico, vai enfraquecer a Inglaterra e a Europa” —, Tony Blair sentou-se à conversa num palco secundário com Brad Smith, presidente da Microsoft, e Laurie Segall, jornalista da CNN.

Plateia cheia para ver dois “cabeças de cartaz” do terceiro dia da Web Summit, plateia cheia para ver o líder da tecnológica serpentear questões incómodas e Tony Blair a alertar que a forma como vivemos em sociedade está em risco se não formos rápidos a agir. A China já colocou o pé no acelerador.

Laurie Segall, a quem coube guiar esta conversa, não tinha tempo a perder: numa conferência onde a responsabilização das empresas de tecnologia domina as conversas em cima e fora de palco — na sequência de escândalos como o do Cambridge Analytica e face à aparente incapacidade das empresas tecnológicas travarem a disseminação de notícias falsas, ao ponto de isso influenciar eleições ou permitir a incitação à violência em Myanmar — e em que se profetiza um mundo em que a inteligência artificial irá mudar todos os aspetos do nosso dia-a-dia, mas com grandes perigos à espreita, a jornalista da CNN quis saber como é que se passa das palavras para os atos.

“Os governos e os cidadãos estão a responsabilizar as empresas e não acho que isso seja uma coisa má. Alguma pressão mantém as empresas conscientes”, respondeu Brad Smith, o homem ao leme da terceira maior tecnológica do mundo, segundo a Forbes.

Tony Blair foi mais longe: “O maior desafio é que legisladores e promotores de inovação tecnológica se entendam”, notou, alertando que “quando os políticos não percebem algo tendem a ser contra isso”. Em causa, diz, está um desfasamento entre o debate político sobre os desafios que a tecnologia traz e o real entendimento dos mesmos.

A tecnologia que hoje temos capacidade de desenvolver — tendo como referência as potencialidades da Inteligência Artificial (a capacidades dos computadores percecionarem o que acontece no mundo real, analisarem essa informação e tomarem decisões sozinhos) e o seu impacto na sociedade — “é muito poderosa, (…) e se tomarmos decisões erradas ao legislar sobre este setor [da tecnologia] estaremos a prejudicar-nos a nós próprios", disse Blair.

"As grandes empresas [tecnológicas] devem ser reguladas, e os reguladores devem ter meios para garantir que estas não abusam do seu poder e agem de acordo com os valores que defendemos. Mas essa regulação tem de ser flexível para se adaptar, senão ficará rapidamente ultrapassada”, acrescentou o ex-primeiro-ministro, frisando ainda que devemos evitar “criar um clima que limite o investimento e desenvolvimento das empresas de tecnologia” e que é importante envolver estes agentes na discussão e estruturação das regras — "não de uma forma hostil, mas garantindo que são respeitados os direitos dos cidadãos”.

Presidente da Microsoft, Brad Smith créditos: FRANCISCO LEONG / AFP

E Brad Smith, defensor da criação de legislação internacional sobre o uso da Inteligência Artificial, acredita que há hoje outra abertura para isso. “É bom refletir no facto de que nos últimos 20 anos a tecnologia avançou rápido, e os governos não acompanharam esta evolução. E as empresas começaram por ver isso como uma coisa boa, porque não desejavam o envolvimento dos governos. Hoje já não é assim”, referiu o presidente da Microsoft.

Pegando na questão do reconhecimento facial, Smith dá o exemplo: “[Na Microsoft] acreditamos que o reconhecimento facial deve estar sujeito à lei e deve ter uma regulação apropriada. Há benefícios claros na tecnologia de reconhecimento facial — como por exemplo encontrar crianças perdidas — mas há um grande 'mas'. O reconhecimento facial muda a nossa vida, pode significar, por exemplo, que quando entramos numa loja o comerciante sabe à partida quando foi a última vez que lá estivemos; ou, imaginemos que há partilha de informação entre lojistas, ele saberá de que loja acabámos de sair. É legítimo as pessoas questionarem-se sobre como será tratada a informação recolhida [com recurso ao reconhecimento facial], mas acredito que os benefícios superam os riscos. Mas antes que acordemos em 2020 e pareça que estamos numa versão 1984 [numa referência ao livro distópico de George Orwell], temos de agir."

Tony Blair defende que Estados Unidos e Europa devem estar alinhados no que diz respeito à regulação do setor “para garantir que tiramos o máximo benefício da tecnologia e a usamos de uma forma que é consonante com os nossos valores”. “Muitas vezes tomamos por garantido o nosso sistema de valores, (…) mas o sistema ocidental [os valores comuns e o processo democrático] será profundamente desafiado. Manter os Estados Unidos e a Europa alinhados é importante porque podemos lidar com estes problemas juntos”, defendeu.

Para o ex-primeiro-ministro, a principal ameaça pode vir da China, que quer assumir uma posição de liderança no desenvolvimento e aplicação da Inteligência Artificial, mas que não encara a relação entre governo e cidadão da mesma forma que nos Estados Unidos ou na Europa. “Esta é a grande questão política do nosso tempo — e o que me chateia no Brexit é que nos distrai [do que é importante]. Isto é relevante para garantir que os nossos valores [ocidentais] permanecem”, referiu.

Vale a pena recordar que o governo chinês está a desenvolver um sistema que combina milhões de câmaras de vigilância com inteligência artificial e software de reconhecimento facial para criar um vasto sistema de segurança. Ao mesmo tempo, o estado começou a desenvolver um sistema de créditos que monitoriza os cidadãos, atribuindo-lhes e tirando-lhes créditos consoante os seus comportamentos. A juntar a isso, o presidente Xi Jinping apelou recentemente ao intercâmbio e cooperação internacional no setor de ‘big data', ou seja, à análise de grandes volumes de dados com que Pequim quer moldar a indústria e comportamento social. "A China está a implementar uma estratégia nacional para o ‘big data', centrada num ciberespaço forte, numa China digital e numa sociedade inteligente, que ajudarão o país a fazer a transição de um modelo económico com altas taxas de crescimento, para um de alta qualidade", afirmou o antigo líder do governo britânico.

Em linha com Tony Blair, Brad Smith defende que é importante, mesmo a nível empresarial, tomar decisões que têm em conta valores como o respeito pelos direitos humanos. E exemplifica: “Não podemos, por exemplo, alojar centros de dados [que guardam informação pessoal dos consumidores] em países onde existe um perigo real de as pessoas serem perseguidas; o reconhecimento facial é uma tecnologia tão sensível que já tivemos de dizer que não a algumas propostas, seja porque os países não estavam preparados para receber esta tecnologia, seja porque a própria tecnologia não está madura o suficiente”.

Laurie Segall agarrou o gancho e atirou a questão: Brad, a Microsoft recusar-se-ia a vender Inteligência Artificial à China?

E Brad...serpenteou. Começou por dizer que Inteligência Artificial é um termo muito abrangente, complementou afirmando que é “um erro pensar que toda a tecnologia é desenvolvida de forma igual”, e terminou preferindo não assumir esse compromisso em plena Web Summit.

Já em tom de despedida, Blair salientou que “a primeira geração de políticos que conseguir entender esta transformação [tecnológica] será capaz de aproveitar as oportunidades e reduzir o risco. Será deles o futuro da política”.


A Web Summit arrancou esta segunda-feira, 5 de novembro, e decorre até quinta-feira na Altice Arena e na Feira Internacional de Lisboa. O evento nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Portugal. Este ano, na sequência de um acordo entre a organização e a cidade de Lisboa, a permanência foi estendida por mais dez anos, até 2028. Nesta edição são esperados mais de 70 mil participantes de 170 países. Saiba tudo sobre esta terceira edição em Portugal aqui.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.