A distinção ‘Chef de l’Avenir’ “tem um significado especial”, após mais de um ano de pandemia de covid-19, que obrigou ao encerramento da restauração durante vários meses, disse à Lusa Alexandre Silva, à frente dos restaurantes ‘Loco’ e ‘Fogo’.

“As equipas que trabalham comigo precisavam de um reforço. [Mostra] que estamos no bom caminho, apesar das dificuldades que temos encontrado neste último ano e da vontade de, às vezes, desistir disto tudo”, afirmou o ‘chef’ português, 40 anos.

Alexandre Silva comentou que, após a reabertura dos dois restaurantes, está surpreendido com a resposta dos clientes.

“As coisas estão a andar mais depressa do que aquilo que nós prevíamos, na verdade, o que é muito bom. E este prémio é um reforço disso tudo. Sinto que as pessoas estão com vontade de regressar ao restaurante”, referiu, descrevendo que chegam também cada vez mais clientes estrangeiros.

Sobre o prémio, Alexandre Silva admitiu ter recebido a notícia com surpresa.

“Espero que este prémio também traga mais [clientes] ainda e que também ajude a promover Lisboa e Portugal, lá fora. É sempre bom ter um cozinheiro reconhecido a nível internacional, é ótimo para o país”, disse.

Alexandre Silva descreve a sua cozinha como baseada no “produto e no ADN português” e inspirada “nas viagens e nos antepassados”.

Um trabalho que tem desenvolvido no ‘Fogo’, apostando totalmente na confeção pelo fogo.

“É recuperar um processo em que somos exímios. A nossa tradição gastronómica vem toda do fogo, cozinha com fogo, fornos a lenha, fogo aberto, potes de ferro… As coisas foram desaparecendo e infelizmente ninguém fala sobre o assunto, mas devia ser falado”, sublinhou.

Segundo um comunicado a que a agência Lusa teve acesso, a Academia Internacional de Gastronomia distinguiu também, em Portugal, o ‘sommelier’ André Figuinha (restaurante ‘Feitoria’, Lisboa, uma estrela Michelin) e o pasteleiro João Picão, do ‘JNcQuoi’ (Lisboa).

O prémio Multimédia foi atribuído ao programa “A Nossa Cozinha”, de Maria José de Sousa, e o de Literatura Gastronómica à obra “História dos Paladares”, de Deana Barroqueiro.

A nível internacional, o Grande Prémio da Arte da Cozinha foi entregue ‘ex-aequo’ a todos os nomeados, uma decisão excecional que se deveu à situação provocada pela pandemia.

Os distinguidos são: Peter Goossens, restaurante ‘Hof van Cleve’ (Bélgica); Toño Pérez, restaurante ‘Atrio’ (Espanha); Guy Savoy (França) e Antonia Klugman, restaurante L'Argine a Venco’ (Itália).

A Academia Internacional de Gastronomia saudou “a coragem e resiliência do setor na atual situação vivida, nomeadamente em virtude das restrições de funcionamento, ou de encerramento administrativo, dos espaços de restauração” e salientou “a importância da continuidade da sua atividade em moldes, porventura, adaptados”.

“Sem a sua atividade, o mundo não será seguramente tão festivo ou convivial”, considerou a academia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.