No domingo, o ‘Jornal de Notícias’ trouxe a história para o centro da discussão. Dois juízes do Tribunal da Relação do Porto assinavam um acórdão, fundamentando a sua decisão com a Bíblia, o Código Penal de 1886 e as perceções que a sociedade tem dos comportamentos sexuais de uma mulher.

No acórdão da Relação do Porto, datado de 11 de outubro, o juiz relator faz censura moral a uma mulher de Felgueiras vítima de violência doméstica, minimizando este crime pelo facto de ela ter cometido adultério.

A história já havia sido contada pelo canal europeu Euronews, que falou com Frederico Moyano Marques, da APAV e dá conta da denúncia de movimentos pelos direitos das mulheres, que dizem não ser este um caso isolado.

Esta terça-feira, porém, a história ganhou uma maior amplitude, depois de ter sido relatada pela agência britânica Reuters. O texto foi depois replicado pelo ‘Guardian’ um dos principais jornais britânicos, que no título dá conta da revolta em Portugal com a decisão dos juízes.

"A patriarquia ultraortodoxa - um dos pilares da ditadura fascista de António Salazar até à revolução de 1974 - ainda sobrevive em partes de Portugal", escreve a agência.

Também ontem, a Amnistia Internacional Portugal considerava que o acórdão judicial do Tribunal da Relação do Porto que minimiza a violência doméstica contra uma mulher, alicerçado em censura moral, “viola” as obrigações internacionais a que Portugal está vinculado.

“A Amnistia Internacional Portugal defende a ausência de considerações de caráter religioso como fundamentação jurídica em nome do respeito do princípio da laicidade e em nome da igualdade e do respeito por todas as religiões”, realçou a associação em comunicado.

E acrescentou: “o Código Penal Português de 1886, citado no acórdão do tribunal da Relação do Porto, foi revogado pelo Código Penal de 1982, revisto pelo Decreto-Lei 48/95, de 15 de março. Assim, o Código Penal de 1886, citado no acórdão, não é fonte de direito português, não podendo ser utilizado pelos tribunais. A sua utilização revela a ineficácia da justiça portuguesa”.

A amnistia diz-se “preocupada” não só pela atuação dos juízes desembargadores ao “arrepio” dos preceitos legais e constitucionais, mas pelo espelhar de uma cultura e justiça promotora de "misoginia", sem ter em conta os direitos das mulheres e à compreensão do uso de violência para vingar a honra e a dignidade.

Lembrou também que Portugal está vinculado não só aos tratados internacionais de direitos humanos dos quais é signatário, mas também se encontra vinculado, desde 01 de agosto de 2014, às obrigações previstas na Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica, comummente conhecida como Convenção de Istambul.

Outras associações têm vindo a mostrar repúdio pela decisão dos juízes portuenses.

Em reação, o Conselho Superior da Magistratura (CSM), diz em comunicado que os tribunais "são independentes e os juízes nas suas decisões apenas devem obediência à Constituição e à lei, salvo o dever de acatamento das decisões proferidas em via de recurso pelos tribunais superiores", não podendo o CSM, por isso, intervir.

O CSM alerta, contudo, que as sentenças dos tribunais devem "espelhar" essa fonte de legitimidade, "realizando a justiça do caso concreto sem obediência ou expressão de posições ideológicas e filosóficas claramente contrastantes com o sentimento jurídico da sociedade em cada momento, expresso, em primeira linha, na Constituição e Leis da República, aqui se incluindo, tipicamente, os princípios da igualdade de género e da laicidade do Estado".

Mais de 5.000 pessoas assinaram petição contra decisão judicial sobre violência doméstica
Mais de 5.000 pessoas assinaram petição contra decisão judicial sobre violência doméstica
Ver artigo

Mais de 5 mil pessoas assinaram entretanto uma petição que apela à tomada de posição do Conselho Superior de Magistratura (CSM) e do Provedor de Justiça sobre a argumentação de um juiz da Relação do Porto num caso de violência doméstica.

Os signatários da petição, que pelas 08:30, segundo a página da internet Petição Publica, já reunia 5.019 assinaturas, dizem-se “chocados com a argumentação” apresentada, manifestam repúdio, pedem ao CSM e ao Provedor de Justiça que tomem posição e apelam a uma "reflexão urgente e séria" sobre a necessidade de alterar o sistema de e/ou avaliação dos juízes, "para que casos como este sejam evitados no futuro".

[Notícia atualizada às 13:09]

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.