“O adversário eleitoral que temos é o PS. Nós discutimos câmaras com o PS”, afirmou, em declarações à agência Lusa, o dirigente comunista com o dossiê autárquico, Jorge Cordeiro, sobre a estratégias e as metas da CDU para as eleições locais em setembro ou outubro.

Numa altura em que já estão apresentadas 121 candidaturas a câmaras e os comunistas subiram o tom das críticas ao Governo e ao PS, PCP e CDU querem “naturalmente confirmar”, nas urnas, as 24 maiorias nas câmaras que governam e recuperar as 10 perdidas em 2017 e outras em eleições anteriores.

“São essas 10 e algumas outras que, não tendo sido perdidas em 2017, nós temos a perspetiva de que podem voltar a ser geridas pela CDU”, disse, referindo-se a casos de câmaras perdidas em 2009 e 2013.

A exceção nessa regra de ter o PS como “adversário eleitoral” tem sido, nos últimos anos, algumas câmaras perdidas pela CDU para o PS e depois ganhas pelo PSD, como é o caso em Silves (PSD), e “a disputa a travar” em Vila Real de Santo António, mais “uma câmara PSD”.

Porque já aconteceu, segundo disse, casos de municípios que, ao fim de oito ou 12 anos, regressaram à gestão da CDU.

O objetivo, mais amplo, da coligação do PCP com os Verdes e a Intervenção Democrática (ID) tem “três dimensões”.

“A dimensão da construção do resultado eleitoral medido em mais mandatos, a confirmação e reforço de posições de votação mais expressiva, que pode ser ou mais votos ou mais percentagem porque isso decorre da afluência às urnas, e concorrer a todos os órgãos municipais e ao maior número possível de freguesias”, descreveu.

Jorge Cordeiro queixou-se ainda a “forma virulenta” das críticas à gestão das autarquias CDU, com recurso a “perfis falsos” nas redes sociais, que critica, mas enquadra na “disputa eleitoral”, e apontou ao PS e ao Governo pelo “uso do aparelho de Estado ao serviço de uma campanha eleitoral”.

“Em imensos concelhos”, descreveu, é um “carrossel de visitas de ministros e secretários de Estado ao lado de presidentes de câmara do PS e de candidatos do PS”, repetindo promessas, “muitas delas repetidas há quatro, oito, 12 e 16 anos”, dizer que “vai passar lá um comboio, que vai ser lançado uma primeira pedra qualquer”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.