O gabinete do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse à agência de notícias AP na noite de hoje que foi um ataque com mísseis.

A Presidência ucraniana adiantou que não ficou claro se houve vítimas ou qual o local exato que o míssil atingiu.

A Rússia voltou hoje a bombardear Kharkiv, a segunda maior cidade ucraniana, num ataque que matou pelo menos 21 pessoas e feriu 112, destruindo diversos prédios, informaram autoridades ucranianas.

“Kharkiv é hoje a Estalinegrado do século XXI”, disse Oleksiy Arestovich, alto conselheiro da Presidência ucraniana, fazendo a comparação com um episódio histórico, quando, durante cinco meses, o Exército soviético defendeu aquela cidade russa das forças nazis, durante a Segunda Guerra Mundial.

Os ataques russos, muitos com mísseis, fizeram explodir o telhado do prédio da sede da polícia regional em Kharkiv e também atingiram a sede dos serviços de informações e um prédio da universidade, além de edifícios residenciais, de acordo com autoridades ucranianas.

Arestovich disse que, durante o ataque, vários aviões russos foram abatidos, embora esta informação não possa ser confirmada por agências independentes.

O Serviço de Emergência do Estado ucraniano informou que mais de 2.000 civis foram mortos, mas tal também não pode ser verificado de forma independente.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.