As autoridades de saúde portuguesas recomendaram hoje a administração da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 a pessoas acima dos 60 anos de idade, seguindo a decisão de mais de uma dezena de países, que introduziram também restrições etárias.

O anúncio oficial, depois de a SIC Notícias já ter avançado com a informação esta tarde, foi feito por Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, numa conferência de imprensa conjunta com o coordenador da ‘task force’ do plano de vacinação, vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, e do presidente da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), Rui Ivo.

“A Direção-Geral da Saúde recomenda, até estar disponível informação adicional, a administração da vacina da AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos. O plano de vacinação é ajustado para garantir que todas as pessoas são vacinadas com a vacina que protege”, afirmou.

Graça Freitas apelou ainda às pessoas que já receberam a primeira dose da vacina para que se “mantenham tranquilas”, uma vez que as reações adversas que foram notificadas são “extremamente raras”.

“No entanto, nos sete a 14 dias após a administração da vacina, devem estar atentas a sintomas como dores de cabeça persistentes, hematomas, manchas vermelhas na pele e sintomias semelhantes a um a AVC. Nestes casos, devem contactar de imediato o médico”, referiu a responsável da DGS.

Em relação à toma da segunda dose da vacina da AstraZeneca, a diretora-geral considerou que quem já recebeu a primeira toma deve manter-se também “calmo e confiante”.

“Entre a primeira e a segunda dose, decorrem cerca de três meses. Esta vacina tem um intervalo entre doses que é grande. Nestes três meses vamos ter informação adicional, quer da firma produtora, quer da Agência Europeia do Medicamento (EMA), e agiremos em conformidade”, assegurou Graça Freitas.

Dois casos de tromboembolismos registados em Portugal

“Nós fazemos uma boa farmacovigilância destas vacinas. O que não aconteceu em Portugal, pelo menos até à data, foi uma situação fatal relacionada com estes eventos” já reportados, afirmou Graça Freitas.

Segundo o presidente do Infarmed, foram reportadas, até hoje, “apenas duas situações”, uma relacionada com a vacina da AstraZeneca e outro com uma outra vacina, que não especificou.

“Sem entrar em detalhes, posso dizer que estas situações foram pouco diferentes daquelas que estão referenciadas”, disse Rui Ivo.

Graça Freitas adiantou ainda que Portugal tem vacinas suficientes para que seja possível readaptar o plano de vacinação “sem perder a capacidade de vacinar” que está prevista.

Vacinação de professores e auxiliares atrasada uma semana

“Vamos adiar uma semana a vacinação dos docentes e não docentes, que serão vacinados não neste fim de semana, mas no outro, com as vacinas que forem apropriadas, seguindo a recomendação que acabou de ser emitida”, disse o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, acrescentando: "Não vai haver nenhum impacto além disto. As vacinas são suficientes para continuarmos o nosso plano".

O coordenador da ‘task force’ salientou que o impacto da recomendação do uso da vacina em pessoas acima de 60 anos será “pequeno” no contexto do processo em curso no país.

“Temos uma população acima dos 60 anos superior a dois milhões de habitantes, portanto, a vacina da AstraZeneca, sendo útil na vacinação dessa população, o plano não vai sofrer grandes alterações e será útil para conseguir dar proteção a uma população mais idosa. Vai ser usada precisamente para isso”, explicou, sem deixar de manifestar a expectativa de que "no fim de maio a maior parte da população com mais de 60 anos esteja praticamente toda vacinada com a primeira dose".

Presidente do Infarmed nega alterações aos contratos das vacinas

“Em relação aos contratos não há nenhuma alteração. Posso até adiantar que amanhã [sexta-feira] irá haver uma reunião com várias das empresas com que há contratos, entre as quais a AstraZeneca”, revelou Rui Santos Ivo, numa conferência de imprensa realizada na sede da Autoridade Nacional do Medicamento, em Lisboa.

O líder do Infarmed recordou as conclusões da Agência Europeia do Medicamento (EMA) acerca da utilização da vacina da AstraZeneca e a ocorrência de fenómenos trombóticos para enfatizar que “são extremamente raros”.

“Quando dizemos que há uma possível ligação, no fundo, isto tem sobretudo a ver com a monitorização que é feita destes eventos adversos. Estamos a identificá-los porque estamos a utilizar a vacina numa larga escala: há mais de 30 milhões de vacinas administradas. À medida que identificámos um número maior, foi possível fazer uma relação entre a administração da vacina e esses fenómenos. Não podemos excluir essa possibilidade. No entanto, não se identificou ainda nenhum fator específico para esses fenómenos”, observou.

Paralelamente, Rui Santos Ivo lembrou que “os benefícios continuam a superar os riscos” no recurso à vacina da AstraZeneca para o combate à covid-19 e assinalou que a restrição etária hoje recomendada está fundamentada na relação entre os fenómenos trombóticos registados e a idade das pessoas vacinadas.

“À medida que a idade avança, o risco de complicações da covid-19 aumenta e diminui o risco de eventos trombóticos. Acima dos 60 anos não se identificou uma associação entre a utilização da vacina e estes fenómenos trombóticos”, sublinhou.

Portugal junta-se assim à lista de países que estão a aplicar mudanças no plano de administração da vacina contra a doença covid-19 da AstraZeneca à população mais jovem, devido a preocupações relativamente à formação de coágulos sanguíneos.

Antes desta quinta-feira, vários países já tinham decidido traçar limites e não administrar a vacina da AstraZeneca abaixo de certas idades por uma questão de segurança: 30 anos no Reino Unido, 55 anos em França, Bélgica e Canadá, 60 anos na Alemanha, Itália e nos Países Baixos ou 65 anos na Suécia e na Finlândia. Também hoje, a Austrália e Filipinas anunciaram a suspensão da administração da AstraZeneca na população mais jovem.

Na quarta-feira, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) indicou uma “possível ligação” entre a vacina da farmacêutica AstraZeneca e “casos muito raros” de formação de coágulos sanguíneos, mas insistiu nos benefícios do fármaco face aos riscos de efeitos secundários, dada a gravidade da pandemia.

No mesmo dia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que tal ligação é “plausível, mas não confirmada”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.