Esta posição foi defendida pela diplomata ucraniana Inna Ohnivets em declarações aos jornalistas, depois de ter sido recebida, em São Bento, pelo primeiro-ministro, António Costa, num encontro que durou cerca de uma hora e em que também esteve presente o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Segundo Inna Ohnivets, entre outros temas, “foi discutida a possibilidade de o Governo português introduzir sanções contra a Rússia, não só no âmbito da União Europeia, mas também de sanções especiais”.

“Por exemplo, a situação do senhor Abramovich, que recebeu recentemente a nacionalidade portuguesa, mas que é um aliado estreito [do presidente russo] Vladimir Putin”, declarou a embaixadora.

Justificando a razão desta medida, a diplomata ucraniana defendeu que este milionário russo, “no futuro, pode ajudar Putin na continuação da guerra da Rússia contra a Ucrânia, financiando a aquisição de armamento”.

“Solicitámos, por isso, a possibilidade de o Governo português considerar a imposição de sanções adicionais contra cidadãos russos que usam a oportunidade de obter nacionalidade portuguesa e são aliados de Putin”, afirmou.

Embaixadora ucraniana pede “sinal forte” para adesão do seu país à União Europeia

A embaixadora ucraniana em Portugal afirmou hoje esperar um “sinal forte” dos governos europeus para que a Ucrânia entre na União Europeia, adiantando que o executivo de Kiev fará o trabalho de casa para concretizar a adesão.

“Temos esperança de que os Estados-membros decidiam que a Ucrânia tem uma perspetiva europeia. Percebemos que a União Europeia precisa de compromisso, mas, pela nossa parte, precisamos de um sinal forte sobre a possibilidade de no futuro obtermos o estatuto de candidato para adesão à União Europeia”, declarou a diplomata.

A embaixadora da Ucrânia em Portugal afirmou depois estar ciente de que o processo de adesão de um país à União Europeia “é muito longo”.

“Vamos fazer os deveres de casa, entre os quais a realização de reformas e a luta contra a corrupção. Mas o povo ucraniano está agora a lutar pelos valores europeus”, afirmou Inna Ohnivets.

Perante os jornalistas, a embaixadora salientou que “o povo ucraniano está neste momento a defender não só o seu território próprio, mas também toda a Europa”.

Interrogada se saiu da reunião satisfeita com a posição adotada pelo Governo português, a diplomata disse que, durante o encontro com António Costa e Augusto Santos Silva, “foram discutidas diferentes possibilidades sobre o desenvolvimento da cooperação com a União Europeia”.

“Discutimos a possibilidade de desenvolver a área económica e, igualmente, como alternativa, a existência de uma parceria envolvendo países como a Ucrânia, Moldova e a Geórgia, em termos de cooperação, tendo em vista uma adesão à União Europeia”, referiu.

Em relação às próximas reuniões entre os chefes de Estado e de Governo da União Europeia, Inna Ohnivets insistiu que é preciso “dar uma perspetiva europeia” à Ucrânia.

“O nosso país está a lutar heroicamente pela preservação da sua soberania, numa luta contra o agressor russo. Neste momento, várias cidades ucranianas estão a ser bombardeadas pelas forças militares russas. A Rússia é um país terrorista. Está a utilizar mísseis de cruzeiro para eliminar o povo ucraniano”, frisou.

Neste contexto, a diplomata considerou essencial que a Ucrânia “faça parte do mundo ocidental”.

“Todos os países membros União Europeia devem apoiar esta perspetiva, dando um sinal forte ao povo ucraniano de que no futuro fará parte da família unida europeia”, acrescentou.

A embaixadora da Ucrânia em Portugal foi recebida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, na quinta-feira, primeiro dia da ofensiva militar russa em território ucraniano.

À saída dessa audiência, Inna Ohnivets expressou “gratidão profunda a Portugal” pela condenação deste ataque e afirmou que “a Ucrânia espera o apoio da NATO e da União Europeia”, não só através da imposição de sanções à Rússia, mas “também, se for possível, apoio militar”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.