O anúncio do acordo foi hoje feito pela AMELP na rede social Facebook, depois de esta terça-feira se ter reunido com o presidente do Novo Banco, António Ramalho, e a representante do Governo, Mariana Egídio, e terem chegado “com grande satisfação (…) a um entendimento”.

A solução não é detalhadamente explicada na informação divulgada, mas, segundo a AMELP, “foi acertada a recuperação de 75% do capital, em dinheiro, num prazo médio de três anos” no caso dos clientes emigrantes a quem o Banco Espírito Santo (BES) vendeu os produtos Euro Aforro 8, Poupança Plus 1, Poupança Plus 5, Poupança Plus 6, Top Renda 4, Top Renda 5, Top Renda 6 e Top Renda 7.

Já para os produtos Euro Aforro 10 e EG Premium, diz a AMELP que “o Novo Banco e o Governo garantiram que também haverá solução”, mas que ainda está a ser trabalhada. Neste caso, a recuperação do investimento poderá ficar abaixo dos 75% acordados para os restantes produtos financeiros, disse à Lusa fonte ligada às negociações.

Os emigrantes que aceitarem esta proposta, terão de desistir das ações judiciais contra o Novo Banco e seus trabalhadores.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.