Um funcionário do Governo, citado pela Agência France Presse (AFP), justificou a decisão com o encerramento da fronteira terrestre com a reino saudita, bem como com a ausência de voos diretos entre os dois países.

“O registo dos peregrinos do Estado de Qatar permanece fechado e os cidadãos não podem obter vistos porque não há missão diplomática em Riad”, acrescentou.

Em 2017, a Arábia Saudita e cinco dos seus aliados cortaram as relações diplomáticas com o Qatar e impuseram o encerramento das fronteiras terrestres, aéreas e marinhas, justificando a decisão com as ligações e apoio a grupos terroristas.

Cerca de dois milhões de peregrinos muçulmanos de todo o mundo iniciam hoje a “hajj”, a peregrinação anual a Meca.

Os primeiros fiéis já começaram a chegar a Meca, num dia marcado pelas temperaturas elevadas.

As autoridades locais, citadas pela AFP, já garantiram que estão preparadas para o evento que decorre até sexta-feira.

A “hajj” é um dos cinco pilares do Islão, sendo obrigatória, pelo menos uma vez na vida, para os muçulmanos aptos a realizarem a peregrinação.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.